Home Sem categoria Nódulos e cistos mamários: saiba os principais riscos e como tratar

Nódulos e cistos mamários: saiba os principais riscos e como tratar

1029
0
Isabella Figueirêdo, mastologista do Hospital Jayme da Fonte – Alexandre Aroeira/Folha de Pernambuco

Quando surge um caroço nos seios, é comum que as mulheres fiquem assustadas e comecem a imaginar algo pior. Contudo, existem diferenças entre cisto e nódulo na mama e, nem sempre, os dois são malignos. Tanto o cisto quanto o nódulo são considerados lesões na mama, têm formato arredondado e podem ser palpados no autoexame. Mas a principal diferença entre eles é que o conteúdo do cisto é líquido, enquanto o do nódulo é endurecido.

“Os nódulos são mais comuns em mulheres, mas eles podem aparecer em homens, porém o cisto não é comum nos homens. A diferença é que nódulos em homens precisam ser automaticamente investigados. Então, qualquer percepção de nódulo em homem precisa procurar um mastologista para investigar. E nódulos nas mulheres, depende. Depende do formato do nódulo, da consistência do nódulo”, explica Isabella Figueirêdo, mastologista do Hospital Jayme da Fonte.

A mastologista também explica que nenhum nódulo ou cisto benigno vira um câncer. “Um nódulo, quando ele é maligno, ele já nasce como maligno. Nenhum nódulo benigno ou cisto vira câncer. Já os cistos podem surgir dos 20 aos 50 anos, e não precisa se preocupar, ele não vira câncer, não causa preocupação, é apenas acompanhamento”, completa.

É bom sempre ficar de olho em lesões na mama. Se você identificar qualquer alteração durante o autoexame, busque um médico. O único caminho para determinar a natureza de uma lesão, seja nódulo ou cisto, é analisando suas características por meio de exames de imagem.

“No caso do nódulo, a gente precisa investigar. Saber, através do ultrassom, qual a característica daquele nódulo. Se o nódulo não tem características de benignidade, têm alguma alteração que nos causa preocupação, aí esse nódulo passa para uma categoria quatro e tem que investigar. Então a gente faz uma biópsia e a depender do resultado da biópsia, a gente faz uma cirurgia ou acompanhar. Já o cisto não precisa de tratamento. O cisto, a gente só faz acompanhamento e segmento anual de rotina, como se a paciente não tivesse nada”, diz a médica.

Importância dos exames em dia

Por isso, é fundamental manter os exames de rotina em dia. A mamografia anual é indicada para mulheres a partir de 40 anos, conforme a Sociedade Brasileira de Mastologia. A orientação do Ministério da Saúde é que mulheres entre 50 e 69 anos façam esse exame a cada dois anos, mesmo que não haja sintomas. Já para quem tem alto risco de câncer de mama, pode ser preciso realizar a mamografia em idades mais precoces e, se houver indicação de profissionais, complementar com ultrassom e ressonância magnética.

“Não existe algo que a gente possa fazer para impedir o surgimento de cistos ou nódulos. A gente não sabe exatamente o que que causa os nódulos ou cistos, mas sabe-se que tem a ver com o hormônio feminino, o estrogênio. O mais importante é ao perceber qualquer alteração, qualquer nódulo, qualquer abaulamento, qualquer alteração possível na mama, procurar um mastologista. Porque com um exame físico e um exame de imagem ele vai poder identificar se é um nódulo, um cisto, se precisa de investigação ou não”, finaliza a mastologista.(Folha de Pernambuco).