**/

Home Blog Page 145

Juazeiro registra 47 novos casos de Covid-19 e dois óbitos

0

Juazeiro registrou 47 novos casos do novo coronavírus nas últimas 24 horas. A informação está no boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde desta quarta-feira (20).

O relatório mostra que 8.176 moradores foram infectados desde o início da pandemia na cidade, dos quais 5.634 já estão recuperados. Os casos descartados somam 16.539. São 2. 402 casos ativos da doença.

O município contabiliza mais dois óbitos causados por complicações da Covid-19, totalizando 140. Faleceram uma mulher, de 59 anos, e um homem, que a idade não consta no relatório enviado à Secretaria de Saúde. Ambos tinham comorbidades e morreram em hospitais privados de Petrolina.

Foram realizados desde o início da pandemia 24.161 testes rápidos e 1.265 pelo Lacen em Salvador.

OCUPAÇÃO LEITOS: Dos internados regulados somente pela rede municipal, houve alteração nas últimas 24 horas. Agora são 36 pacientes, sendo 25 em leitos de UTI e 11 em leitos intermediários. Na rede de ocupação hospitalar, o percentual de ocupação dos leitos para Juazeiro na rede PEBA (hospitais de Pernambuco e Bahia) é de 86%.

Ascom 

Petrolina tem 10 mil vagas para alunos remanescentes da rede municipal

0

Após garantir as matrículas em continuidade a todos os alunos já inseridos na rede municipal de Ensino de Petrolina, foi iniciado, neste mês de janeiro, o prazo para matrículas de alunos remanescentes. A Secretaria Municipal de Educação ainda conta com cerca de 10 mil vagas distribuídas em unidades escolares da sede e interior do município. O amplo número de vagas ainda existentes se deu, entre outros fatores, por conta da crescente oferta de vagas após a entrega das novas creches de alto padrão.

As vagas são destinadas aos estudantes novatos que perderam, por qualquer motivo, os prazos para cadastro e efetivação das vagas.  A matrícula do estudante remanescente pode ser feita a qualquer tempo, enquanto houver vagas disponíveis na rede. A SEDUCE ressalta que, caso o pai ou responsável não consiga matricular sua criança na unidade desejada, de imediato a equipe escolar indicará uma segunda opção na região em que a criança reside.

Ainda estão disponíveis vagas para as modalidades da Educação Infantil em unidades do Nova Semente, CMEIs e Pré-escolas e vagas para o Ensino Fundamental do 1º ao 9º ano e EJA. Para garantir o ingresso da sua criança na rede municipal, o pai ou responsável deve comparecer diretamente na unidade escolar do seu interesse o mais breve possível. (Ascom)

Mais Médicos vai contratar 72 profissionais para atuar em Manaus

0

Há ainda outras 36 vagas em aberto, remanescentes do chamamento anterior, totalizando a possibilidade de 108 contratações para a rede de atenção primária da capital amazonense.

Mais Médicos vai contratar 72 profissionais para atuar em Manaus

O Ministério da Saúde autorizou a contratação temporária e emergencial de mais 72 médicos para reforçar o atendimento a pacientes com covid-19 em Manaus (AM). Segundo o texto da portaria ministerial n° 79, publicada no Diário Oficial da União de hoje (19), os profissionais serão contratados por um ano, por meio do Programa Mais Médicos, do governo federal.

As vagas deverão ser preenchidas por chamamento público e o prazo de contratação será improrrogável. Os interessados em participar da iniciativa devem se inscrever ainda hoje, na página do programa na internet.

De acordo com o ministério, a iniciativa é uma resposta à situação emergencial que o Amazonas enfrenta. Há ainda outras 36 vagas em aberto, remanescentes do chamamento anterior, totalizando a possibilidade de 108 contratações para a rede de atenção primária da capital amazonense, onde, segundo o ministério, é feito a maior parte do atendimento de casos leves de síndrome gripal e covid-19.

Sessenta e quatro profissionais já atuam em Manaus por meio do Programa Mais Médicos. De acordo com o ministério, diante da situação, o recesso de alguns dos participantes do programa, previsto para ocorrer a partir da segunda quinzena de janeiro, foi suspenso.

Com informação: Agência Brasil

Biden toma posse como presidente dos EUA em meio a crises sanitária e de segurança

0

Nesta quarta-feira (20), o democrata fará história ao assumir a Casa Branca em um dos momentos mais assustadores da trajetória americana

Biden toma posse como presidente dos EUA em meio a crises sanitária e de segurança

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) – Em seu último discurso antes de viajar a Washington e tomar posse como o 46º presidente dos EUA, Joe Biden não conseguiu conter o choro.
Agradeceu pelo apoio dos moradores de Delaware, estado onde viveu por quase 70 anos, e disse que sentia muito a ausência do filho Beau, que morreu em 2015 vítima de um câncer no cérebro. “Eu só tenho uma coisa a lamentar: ele não está aqui”, disse Biden, visivelmente emocionado.

Nesta quarta-feira (20), o democrata fará história ao assumir a Casa Branca em um dos momentos mais assustadores da trajetória americana.

Aos 78 anos, Biden é o homem mais velho a chegar à Presidência dos EUA e tem a missão de comandar uma nação dividida e devastada por uma grave crise econômica e uma pandemia que já matou mais de 400 mil pessoas no país.

As credenciais inéditas da nova era incluem Kamala Harris, a primeira mulher negra a ocupar a Vice-Presidência americana, e que vai exercer papel definitivo no que se tornou o principal desafio de Biden nos próximos anos: conseguir, de fato, governar.

O avanço da maior crise de saúde do século, a violência política e o debate do impeachment de Donald Trump devem dominar os primeiros anos da gestão democrata, e especialistas acreditam que será difícil fazer muito além desses temas até meados de 2022.

O Partido Democrata tem maioria na Câmara, e Kamala terá direito ao voto de desempate no Senado, rachado entre 50 democratas e 50 republicanos. A frágil maioria numérica, porém, não é suficiente para a aprovação de todas as medidas prometidas por Biden, principalmente daquelas que exigem ao menos 60 votos para ganhar o aval legislativo sem obstrução de opositores.

Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da FGV-SP, lembra que Barack Obama tinha maioria ainda mais ampla que Biden no Senado no início de seu primeiro mandato, mas não conseguiu aprovar medidas significativas sobre clima e imigração, por exemplo.

Na política há 48 anos, como vereador, senador e vice de Obama, Biden sabe que terá de lançar mão de seu perfil moderado e sua conhecida habilidade conciliatória para negociar com os dois lados do tabuleiro em meio à radicalização insuflada por Trump.

Quando fizer seu primeiro discurso como presidente, pouco depois do meio-dia (14 horas de Brasília) desta quarta-feira, Biden insistirá na ideia de que os americanos precisam de união e pacificação para que a alma do país seja resgatada e suas fraturas, curadas. O democrata quer passar a mensagem de que a nação tem desafios, mas há esperança para resolver problemas.

A posse de um novo presidente tem tradição de mostrar a transição pacífica de poder nos EUA e os planos para o futuro. A primeira parte da história ficou comprometida neste ano com a recusa de Trump em comparecer à posse do sucessor, o que não acontecia há 152 anos.

No entanto, mais importante que uma retórica floreada –que não é o forte de Biden–, o discurso de posse deve sinalizar de que maneira o novo presidente vai tomar as medidas para unificar o país fraturado por atos e insurreições que culminaram na invasão do Capitólio, que deixou cinco mortos.

Primogênito numa família de quatro filhos, Biden tinha gagueira crônica na infância, condição que foi amenizada com o tempo, mas ainda é apontada como razão para seus discursos pouco empolgantes.

A campanha vitoriosa à Casa Branca no ano passado, porém, moldou em parte a oratória do democrata e convenceu assessores de que, com bastante treino e disciplina, ele é capaz de falar sem grandes sustos.

Depois de seu pronunciamento nesta quarta, Biden pretende assinar diversas ordens executivas para reverter medidas colocadas em vigor por Trump.

As ordens executivas são uma maneira de driblar justamente a maioria apertada no Senado –e a possível dispersão das atividades da Casa com o debate sobre o impeachment do republicano. As manobras, no entanto, podem ser alvo da Suprema Corte, que hoje conta com ampla maioria conservadora, de 6 votos a 3.

Logo na primeira semana de governo, Biden quer colocar os EUA de volta na OMS (Organização Mundial da Saúde) e no Acordo de Paris. Promete também vacinar 100 milhões de americanos contra a Covid-19 em 100 dias e aprovar o plano de recuperação econômica no valor de US$ 1,9 trilhão (cerca de R$ 10 trilhões).

Biden quer também suspender o banimento de entrada nos EUA a viajantes de alguns países de maioria muçulmana, parar a construção do muro na divisa com o México, símbolo inacabado do governo Trump, e impedir a separação de famílias na fronteira.

Depois de décadas atuando como senador no Congresso, o democrata sabe que os parlamentares desejam aprovar medidas populares que podem ajudar em suas eleições nos estados, mas que, muitas vezes, também aceitam em troca amargar medidas mais controversas.

O primeiro teste de Biden no Congresso será a confirmação de nomes escolhidos para seu gabinete –ao contrário do Brasil, indicados pelo presidente para determinados cargos no primeiro escalão precisam da aprovação do Senado americano.

O democrata já disse esperar que os parlamentares adotem uma estratégia dupla que permita realizar o julgamento de impeachment de Trump –acusado de incitação à violência que resultou no ataque ao Capitólio e na morte de cinco pessoas– e, ao mesmo tempo, aprovar suas indicações e as medidas de alívio à pandemia.

Com 81 milhões de votos, Biden deve ter cuidado para não tentar fazer com que sua chuva de promessas seja um eclipse do ativo político de seu antecessor.

Numa nação dividida, os caminhos para unidade são lentos e tortuosos.

POSSE PRESIDENCIAL AMERICANA. Biden prega unidade em 1º discurso: “Sem união não há paz”

0

Posse de Joe Biden, um dia especial e diferente em Washington | Mundo:  Diario de Pernambuco

Em seu primeiro discurso como presidente dos Estados Unidos, Joe Biden exaltou a união e convocou todo o país a enfrentar, junto, os desafios que assolam a nação, como a pandemia de covid-19, o terrorismo doméstico e o racismo.

O democrata lembrou que a segregação no país não é recente, mas exaltou a história norte-americana e afirmou que, unido, o povo conseguiu vencer grandes desafios, a exemplo da Guerra Civil e dos ataques ao World Trade Center, em 11 de setembro de 2000.

“Falar de união pode soar bobo neste momento. As forças que nos dividem são profundas, mas não são novas. Nossa história tem sido uma luta constante entre o ideal americano e a terrível realidade do racismo, medo, demonização… Tudo isso nos separou por muito tempo. A batalha é perene e a vitória nunca é garantida. Mas nossos melhores anjos sempre prevaleceram, se juntaram para avançarmos. E podemos fazer isso agora. A história, a fé e a razão mostram o caminho”, afirmou. “Sem união não há paz. Só ressentimento e medo”, acrescentou.

 (crédito: Biden Inaugural Comitte/reprodução)
A artista Lady Gaga entoou o hino dos Estados Unidos durante a cerimônia de posse do 46º presidente norte-americano, Joe Biden

O novo presidente também pediu que aqueles que não votaram nele o apoiassem, dizendo que a “política não precisa ser um fogo que destrói tudo”: “Discordâncias não precisam levar à desunião. Serei o presidente de todos os americanos”.

Veja como será a atípica cerimônia de posse de Joe Biden nesta quarta-feira  | Jovem Pan

Democracia e igualdade

O sucessor de Donald Trump também destacou a força da democracia norte-americana, que afirmou ter sido testada recentemente. Biden não deixou de mencionar que o Capitólio — palco da posse — foi alvo de ataque de extremistas apoiadores de Donald Trump neste mês: “A vontade do povo foi ouvida e atendida. A democracia é preciosa, é frágil e, neste momento, mais uma vez, a democracia prevaleceu”.

Em relação à igualdade, o presidente afirmou que há um “grito por justiça racial” em todo o planeta e que o “o sonho de justiça para todos vai ser encarado agora”. Sobre as mulheres, Biden destacou a presença de sua vice, Kamala Harris, pontuando que o National Mall, na região do Capitólio, foi palco de protestos por direito ao voto feminino e, agora, sediava a posse da primeira vice-presidente mulher da história.

Joe Biden toma posse como 46º presidente dos Estados Unidos - Folha PE
Joe Biden toma posse como 46º presidente dos Estados Unidos

Política externa e covid-19

Escanteadas por Trump, as relações externas foram mencionadas por Biden em sua posse. O novo presidente afirmou que os EUA vão “reconstruir alianças e se comprometer mais uma vez com o mundo”: “Não para os desafios de ontem. Mas para os desafios de hoje e amanhã. Vamos liderar não apenas pelo exemplo do poder, mas pelo poder do exemplo”.

Como não poderia deixar de ser, a covid-19, que já matou mais de 400 mil pessoas nos EUA, foi bastante lembrada no discurso. Biden chegou a pedir, como primeiro ato na Presidência, que todos os presentes o acompanhassem em uma prece silenciosa pelas vítimas da doença. O presidente disse que poucas pessoas na história do país enfrentaram desafios tão grandes, com um vírus que já matou mais norte-americanos do que a Segunda Guerra Mundial. Ele também mencionou os postos de emprego sendo fechados e empresas falindo em razão da pandemia.

Por fim, Biden citou a música American anthem (Hino americano, em tradução livre — embora ele não estivesse se referindo ao Hino Nacional dos Estados Unidos) para dizer que fará o seu melhor na Presidência: “Deixe-os falar de mim/ Eu fui aquele que acreditou/ Ao compartilhar as bênçãos, eu recebi/ Deixe-me saber no meu coração/ Quando meus dias acabarem/ América, América/ Eu dei o meu melhor para você”.(Correio Brasiliense)

SESI-PE abre 200 vagas para cursos gratuitos com certificados. Matriculas até 20 de Janeiro

0

Sesi abre inscrições para 200 vagas em cursos gratuitos a distância | AF  News

Para quem deseja começar o ano se capacitando e agregando valor ao currículo, a boa notícia é que o SESI-PE está com inscrições abertas para cursos gratuitos a distância. Ao todo, estão sendo ofertadas 200 vagas para os cursos de Novo Acordo Ortográfico e Relações de Gênero na Indústria. Os interessados devem realizar a matrícula até o dia 20 de janeiro, no site da instituição.

Para efetuar a inscrição, é necessário possuir e-mail e ter noções básicas de informática. O interessado deve acessar o site do SESI-PE (www.pe.sesi.org.br), clicar na seção de Educação a Distância, depois em “Faça sua inscrição” no canto superior direito e seguir o passo a passo indicado pela plataforma.

Ministradas totalmente online, as aulas são autoinstrucionais, logo, não carecem de acompanhamento de um tutor online. Outro benefício é que o aluno pode escolher o melhor local e horário para assisti-las, de acordo com a sua rotina e seu ritmo de aprendizagem.

Em Novo Acordo Ortográfico, o estudante irá conhecer e ampliar os conhecimentos sobre as principais mudanças que ocorreram na ortografia da Língua Portuguesa, como acentuação, trema e hífen. Já em Relações de Gênero na Indústria, o aluno terá informações relevantes sobre equidade de gênero, valorização da diversidade e sustentabilidade social na indústria, ascensão funcional, política equitativa de benefícios e saúde e segurança no trabalho.

Depois de cumprir a carga horária total do curso escolhido, o estudante participará de uma avaliação na plataforma educacional e, se alcançar 70 pontos no exame, receberá a Certificação de Conclusão. Mais informações pelo e-mail educacao.distancia@pe.sesi.org.br.

Mourão nega impeachment, mas defende ‘freios’ se presidente arriscar o país

0

Mourão afirmou que o presidente cometeu erros, mas não acredita que seja necessário tirá-lo do poder

Mourão nega impeachment, mas defende 'freios' se presidente arriscar o país

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão (PRTB), falou sobre a possibilidade de Jair Bolsonaro (sem partido) sofrer um processo de impeachment. Ele afirmou que o presidente cometeu erros, mas não acredita que seja necessário tirá-lo do poder.

“Se você botar numa coluna do nosso governo, você vai ver que teve mais acertos do que erros. Teve erros, que são sobejamente conhecidos. Mas vamos olhar, por que vamos fazer o impeachment? Vai chegar daqui ao ano que vem. E, se o governo dele não for bom, ele não será reeleito, caso seja candidato à reeleição”, disse Mourão em entrevista ao jornal Valor Econômico.

Mourão disse que Bolsonaro não representa uma ameaça institucional contra a democracia, mas ressaltou que um presidente que coloque o país em risco “tem que ser parado”.

Agora, é óbvio que se um presidente colocar em risco a integridade do território, a integridade do patrimônio, o sistema democrático e a paz social do país, ele tem que ser parado pelo sistema de freios existente general Hamilton Mourão, vice-presidente

Assim como tem feito nos últimos dias, Mourão criticou a “politização” da vacina contra a covid-19, tanto por parte do governo federal quanto do governador de São Paulo, João Doria (PSDB). O vice-presidente lembrou que sempre admitiu a possível compra da Coronavac, mesmo quando Bolsonaro queria vetar a negociação, e disse que pode interceder para facilitar a importação de insumos chineses, tanto para Coronavac quanto para a vacina de Oxford.

“Estamos aguardando. Dentro de um gerenciamento de crise, você vai escalando conforme as cartas vão se esgotando. A partir do momento em que isso aí não avançar, por meio do mecanismo da Cosban, eu vou contatar o meu contraparte que é o vice-presidente Wang Qishan para que a gente avance nisso”, prometeu Mourão, que disse não acreditar que a China esteja fazendo uma retaliação política. O país asiático foi alvo de ataques diretos e falsos por parte da família Bolsonaro durante a pandemia.

Ao analisar a gestão do governo na pandemia, ele afirmou que as críticas contra o ministro Eduardo Pazuello (Saúde), um militar da ativa, não prejudicam a imagem das Forças Armadas. E defendeu Bolsonaro ao falar sobre aglomerações.

“Ele [Bolsonaro] não foi o responsável pelas pessoas saírem para a rua. Aí tem uma responsabilidade compartilhada entre todas as esferas de governo. Nenhum dos nossos governadores e prefeitos conseguiu implementar um lockdown para valer. Até porque no Brasil esse troço não dá. O Brasil é um país muito grande, muito desigual. Não é a França ou a Espanha, que você dá um grito em Madri e todo mundo ouve. Na China, o cara bota a força armada na rua, cerca, derruba a internet… É diferente daqui”, analisou Mourão.

Mourão disse que o Brasil vive um “repique” de casos e mortes de covid-19 e culpou as eleições municipais e as festas de final de ano.

“Repique aconteceu porque nós tivemos um processo eleitoral onde todo mundo se atirou numa campanha. E, depois, numa questão de festas de fim de ano onde todo mundo lavou as mãos e jogou a toalha nisso aí. Ou não lavou as mãos. Infelizmente aconteceu isso aí e compete ao Estado em todos os níveis buscar uma solução”, afirmou o vice-presidente.

Hoje Joe Biden está assumindo o cargo de novo presidente dos Estados Unidos. E Mourão comentou sobre atritos que já aconteceram entre Bolsonaro e o norte-americano, pois o brasileiro apoia Donald Trump irrestritamente. Mourão admitiu que a relação entre os governos precisa ser melhorada.

“O resultado prático é que nós temos que ter uma forma de reabrir o canal diplomático, de maneira que um posicionamento político de determinado momento não significa um posicionamento ad eternum. O que ficou para trás ficou para trás. Vamos zerar e buscar avançar a partir daqui”, pediu Mourão.

AGE reforça atenção aos microempreendedores para período da Declaração Anual DASN-Simei

0

Petrolina contabiliza mais de 18 mil microempreendedores individuais (MEI) formalizados, segundo levantamento realizado pela Agência Municipal do Empreendedor de Petrolina (AGE), instituição vinculada à prefeitura. A agência tem reforçado a atenção do MEI para a realização de uma das atividades fiscais obrigatórias que acontece nesse período do ano: a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-Simei) relativa ao ano exercício 2020.

Apesar de o prazo se estender até 31 de maio deste ano, a AGE destaca que muitas pessoas ainda esquecem de fazer a DASN-Simei o que pode acarretar em multa de até R$ 50, 2% ao mês calendário ou fração incidente sobre os tributos decorrentes das informações prestadas na declaração.

Do dia 11 até o momento, cerca de 50 microempreendedores compareceram à agência para receber orientações e preencher o documento. A declaração pode ser feita pelo site do Portal do Empreendedor e é totalmente gratuita. O microempreendedor individual deverá levar o seu CPF, documento de identidade, comprovante de residência com CEP, CNPJ e o valor do faturamento anual do seu negócio.

Vale ressaltar que mesmo aqueles empreendedores que não tiveram movimentação financeira em 2020 ainda precisam declarar. “É importante que os microempreendedores fiquem atentos ao período estabelecido para enviar a declaração e assim evitar multas e continuar com seu cadastro regularizado na base da Receita Federal. A AGE está disponível para esclarecer quaisquer dúvidas e ajudar aqueles que sentirem qualquer dificuldade no acesso ao Portal do Empreendedor, como também sobre outros serviços disponibilizados pela agência”, afirmou o diretor-presidente da AGE, Sebastião Amorim.

A AGE está localizada na Rua Castro Alves, 55, Centro, atrás do Banco do Brasil, e funciona das 7h às 13h. Outras informações pelo telefone (87) 3861-8270.(Ascom)

Depois de luta do SINDSEMP servidores voltam a receber refeições no plantão do HU

0

Nesta terça-feira(19), o SINDSEMP – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais recebeu a secretaria de saúde,  Magnilde Albuquerque na sede do sindicato, para uma conversa com os profissionais de saúde do município que estão cedidos ao Hospital Universitário. Em pauta, as refeições dos servidores que foi suspensa pela direção do HU.

O SINDSEMP solicitou providências da gestão municipal junto ao Hospital Universitário acerca das refeições suspensas e chegou a comprar marmitas para os plantonistas em escalas de 12 horas de plantão. Na reunião a secretária de saúde tranquilizou os servidores e servidoras em relação ao pagamento das refeições fornecidas aos profissionais do município que trabalham no HU.

A secretaria de saúde informou ao SINDSEMP que a direção do HU já notificou a EBSERH nacional sobre o acordo em relação ao fornecimento das refeições aos profissionais de saúde do município,  para finalizar a situação de uma vez por todas.

“Sem a intervenção do sindicato o problema não teria sido resolvido. Foi muito importante esse encontro com a secretária de saúde.” Declarou a servidora Elizabete Valentim.

Para a servidora Maria Cleonice dos Santos a rotina de trabalho será mais tranquila no HU a partir da reunião que ocorreu no Sindsemp. “Esse encontro esclareceu muita coisa e tirou nossa preocupação em relação às refeições, como se dará a partir de agora.” Declarou Cleonice.

“Não descansamos enquanto o problema não foi resolvido. A gestão municipal se reuniu com a superintendência do HU para resolver a questão que era institucional e que o servidor acabou sendo prejudicado. A luta do Sindsemp foi garantir  a condição de trabalho dos servidores e servidoras que estão dedicando suas vidas para cuidar da nossa população.” Desabafou  o presidente do Sindsemp, Walber Lins.(Ascom Sindsemp)

Morre Victor Moreira, figurinista da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém

0
Victor Moreira

Faleceu nessa terça-feira (19), aos 86 anos, o figurinista e cenógrafo da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, Victor Moreira, em consequência da Covid-19. Seu corpo será cremado na manhã desta quarta-feira (20).

Figurinista de destaque na sociedade pernambucana nas décadas de 50 e 60, ele também atuou no jornalismo impresso especializado, sendo inclusive correspondente internacional de moda, e esteve à frente de programas na TV como entrevistador de celebridades.

Na cena teatral pernambucana, idealizou cenários e figurinos premiados. Na Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, Victor Moreira teve uma participação destacada desde o princípio, quando o espetáculo começou a ser realizado nas ruas do vilarejo de Fazenda Nova em 1954, a 180 quilômetros do Recife. Ele participou da criação dos projetos arquitetônicos dos cenários monumentais da cidade-teatro e, ao longo dos anos, foi responsável pela concepção do rico figurino da peça teatral

Com uma forte ligação com Plínio e Diva Pacheco, os idealizadores e construtores da cidade-teatro de Nova Jerusalém, onde a peça é encenada há mais de 50 anos, sua contribuição sempre foi além da criação dos figurinos. Apesar da idade, Moreira ainda fazia parte da equipe da Paixão, prestando consultoria a estilista Marina Pacheco, neta de Diva e Plínio que coordena o figurino do espetáculo.

“Além de ter sido um grande incentivador e colaborador da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, Victor Moreira foi sobretudo um grande amigo dos meus pais Plínio e Diva Pacheco e de toda a minha família. Seu carinho e sua magnífica capacidade artística ficarão eternizados em nossos corações de forma inabalável assim como as muralhas da Nova Jerusalém. Todos nós, que fazemos parte da Sociedade Teatral de Fazenda Nova temos a responsabilidade de manter vivo o legado de um grande apaixonado pelas artes”, afirma Robinson Pacheco, presidente da Sociedade Teatral de Fazenda Nova.