Home Sem categoria Motoristas de aplicativos acionam Justiça contra regulamentação de transporte privado em Petrolina

Motoristas de aplicativos acionam Justiça contra regulamentação de transporte privado em Petrolina

253
0

A Associação dos Motoristas e Motofretistas por Aplicativos de Pernambuco (AMAPE) e o movimento liberal Livres entraram na Justiça pedindo a suspensão da lei 3.094/2018, que dispõe sobre a regulamentação da prestação do serviço de transporte individual privado de passageiros por aplicativos na cidade de Petrolina.

Além da cobrança anual de uma taxa de R$ 162,00, a lei exige cadastro municipal, vistoria em empresa autorizada pela Prefeitura, selo de identificação, limitação de idade veicular e restrição de registro de placa a Petrolina e Juazeiro.

O descumprimento pode acarretar em multa de R$ 2.900,00 e apreensão do veículo.

O presidente da AMAPE e líder Livres, Thiago do Uber, diz que a lei é ilegal.

“Essa lei vai na contramão da lei 13.640, aprovada pelo Congresso Nacional em 2018, que prevê uma regulamentação moderna e equilibrada da atividade. O dispositivo pune o motorista. Na prática, as regras são restritivas e estão impedindo pais e mães de família de garantirem seu sustento. Em Pernambuco, que é o estado recordista em desemprego, isso se torna ainda mais absurdo. E o pior de tudo é ver cidadãos que querem trabalhar serem perseguidos pela AMMPLA, agência de trânsito do município, e pela própria prefeitura, como se fossem bandidos”, afirma.

Coordenadora de relações institucionais do Livres, Karla Falcão destacou que desde 2016 o movimento tem se engajado na defesa da liberdade nos transportes, tanto em Pernambuco quanto no âmbito nacional.

“Participamos de várias audiências públicas para frear regulamentações abusivas que tentavam violar o direito ao trabalho dos motoristas e o direito de escolha dos passageiros. E nossa participação, enquanto representantes da sociedade civil, foi efetiva na regulamentação em vários municípios. Mas em casos como o de Petrolina, que violam direitos constitucionais, infelizmente precisamos acionar a Justiça para que se faça justiça.”, disse.

O advogado da AMAPE e do Livres, Irapuã Santana, afirma que o objetivo da ação é retirar restrições ilegais e inconstitucionais que estão prejudicando os motoristas de aplicativos de Petrolina.

“O decreto, junto com o endurecimento das fiscalizações estão gerando enorme prejuízo financeiro aos motoristas. Além disso, o município está colocando a atividade como se fosse pública, quando sua natureza é privada”, afirmou.

O processo foi distribuído com o número 0013356-04.2021.8.17.3130 para o órgão Vara da Fazenda Pública da Comarca de Petrolina.

JC Online / foto: arquivo pessoal

Previous articleSuape lança projeto de inclusão produtiva para beneficiar 300 famílias com capacitação da Cáritas
Next articleAusente em atos contra Bolsonaro, Lula não quer ‘dar razão às loucuras do presidente’