Home Sem categoria Mais de 70 milhões de brasileiros estão inadimplentes, aponta Serasa

Mais de 70 milhões de brasileiros estão inadimplentes, aponta Serasa

898
0

Não só a inadimplência cresceu, como o valor das dívidas também

Negociação de dívidas
Negociação de dívidas – Foto: Divulgação

Em cinco anos, o número de brasileiros inadimplentes passou de 59,3 milhões, em janeiro de 2018, para 70,1 milhões, em janeiro de 2023, um recorde na série histórica. É o que mostra estudo inédito da Serasa Experian, divulgado nesta segunda-feira (27) em Brasília.

Não só a inadimplência cresceu, como o valor das dívidas também. Em média, cada inadimplente deve R$ 4.612,30. Em janeiro de 2018, era R$ 3.926,40. Houve um crescimento de 19% no período.

Em relação à faixa etária, os idosos com 60 anos ou mais estão entre os mais impactados. Os endividados aumentou 17%, em comparação a outras faixas etárias, com alta de 12%.

De acordo com a Serasa, a inflação e os juros altos são os fatores que impulsionaram o aumento da inadimplência no país no período analisado.

Os dados foram divulgados no anúncio de uma edição extraordinária do Feirão Limpa Nome, que teve início nesta segunda. Geralmente, o feirão ocorre em novembro.

Na ação, os consumidores podem renegociar dívidas com bancos, financeiras, telefônicas e outras empresas. Em alguns casos, é possível quitar a dívida com 99% de desconto ou por até R$ 100, segundo a Serasa.

A negociação pode ser feita pelo site, app Serasa no Google Play e App Store, 0800 591 1222 (ligação gratuita) ou WhatsApp (11) 99575–2096. Haverá atendimento presencial nas mais de 11 mil agências dos Correios distribuídas, com pagamento de uma taxa de R$3,60.

O governo federal anunciou que vai criar um programa para atender as pessoas endividadas, entre elas as que contraíram empréstimo consignado oferecido pelo Auxílio Brasil em 2022, modalidade implantada para permitir a inclusão de pessoas inadimplentes de volta à economia.

Por AFP

Previous articleVacina bivalente contra a covid-19 começou a ser aplicada. Siga as orientações
Next articleNo Dia Mundial da Obesidade, campanha pede novo olhar sobre a doença