Home Sem categoria Levou um fora? Conheça 6 fatores que podem explicar o fim de...

Levou um fora? Conheça 6 fatores que podem explicar o fim de um relacionamento, segundo a ciência

402
0

Estudo diz que ser desmotivado e nojento são alguns dos principais problemas em namoros de longa ou curta duração

Quem nunca levou um fora que atire a primeira pedra. Cientistas de universidades dos Estados Unidos, Itália e República Tcheca realizaram um estudo mostrando as seis principais “bandeiras vermelhas” nos relacionamentos. São elas: pegajosos, promíscuos, desmotivados, apáticos, ‘nojentos’ e viciados em drogas.

No estudo, os pesquisadores analisaram pesquisas existentes sobre 49 tópicos essenciais para acabar com qualquer relacionamento e pediram para 285 universitários com média de 22 anos para indicar qual deles os faria perder o interesse em um relacionamento de curto ou longo prazo.

Os principais resultados mostraram que a falta de interesse acabaria com um relacionamento a longo prazo, pois isso mostra que não há esforços para um relacionamento futuro, como ter filhos, planos de casal e etc. Ser pegajoso foi uma das maiores desvantagens no curto prazo, visto que isso inibe os esforços reprodutivos não parentais de um parceiro, em outras palavras, o sexo casual.

A falta de higiene pessoal também foi um obstáculo significativo para relacionamentos de qualquer duração.

“As pessoas querem parceiros que sejam férteis (ou seja, que não cheirem mal, não tenham DSTs, sejam atraentes) e bons pais (ou seja, que sejam confiáveis, ambiciosos, atenciosos, carinhosos) de nossos filhos”, escreveram os autores do estudo que são das universidades Charles University na República Tcheca, da University of Colorado nos EUA e da University of Padua na Itália.

Dentro das categorias

A pesquisa separou seis sinais de alertas para os relacionamentos e dentro dessas categorias, foram colocados os principais subgrupos que fariam casais se separarem.

Na categoria “nojento”, os principais subgrupos são que a pessoa tem uma má higiene pessoal, cheira mal, é pouco atraente ou tem problemas de saúde como Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Já na categoria “viciados em drogas”, os participantes disseram que ter problemas com drogas ou álcool são um empecilho para continuar em uma relação, bem como se a pessoa fuma ou tem um passado criminal.

Se a pessoa é “pegajosa”, os fatores que contribuem para a quebra de relacionamento é se a pessoa é controladora demais, pegajosa demais ou ciumenta demais.

Na categoria “promíscua”, os participantes relataram que a pessoa que faz sexo com muitas outras pessoas, ou que tenham tido relacionamento com muitos outros, não são confiáveis e, por isso, não conseguem ter um relacionamento duradouro.

Se a pessoa é “apática”, ela pode ter levado um fora por não ter interesse nos assuntos do parceiro, não transparecer confiança e não ser capaz de oferecer atenção à outras pessoas.

E, por último, “desmotivado”. Os participantes descreveram que as principais causas para acabar com um relacionamento neste grupo é que a pessoa não tem ambição, pouco interesse de subir na vida seja profissional, pessoal ou financeiro e é muito passivo em relação aos planos futuros.

A pesquisa também descobriu que as mulheres têm mais fatores como quebra de relacionamento do que os homens. E mulheres mais velhas têm itens que se encaixam mais em nojentos e desmotivados em comparação com as mais jovens.

“Como as mulheres têm taxas mais altas de investimento obrigatório na prole, elas tendem a manter padrões mais altos”, escreveram os autores.

Já os participantes com “valor de companheirismo”, ou seja, veem a si mesmos como parceiros valiosos, relataram mais quebra-negócios do que outros em relacionamentos de longo e curto prazo.

“Os companheiros que são pegajosos ou viciados em drogas devem ser pouco atraentes para aqueles com alto valor de companheiro porque aqueles com alto valor de companheiro podem se dar ao luxo de rejeitar aqueles que têm baixo valor”, disseram os autores.

Por Agência O Globo

Previous articleExame pode acusar Alzheimer 10 anos antes, diz estudo
Next articleCom elevação do nível do rio São Francisco, Prefeitura de Juazeiro garante assistência às famílias do bairro Angari