Home Sem categoria Hidrogênio verde: Brasil surge como parceiro estratégico para metas energéticas e climáticas...

Hidrogênio verde: Brasil surge como parceiro estratégico para metas energéticas e climáticas da Alemanha

529
0

O Paraná já tem projeto de transformação de detritos de animais em energia renovável, fruto de acordos de cooperação com empresas do país europeu

O Brasil é um país com matriz energética diversificada, dada sua riqueza de fontes renováveis e limpas, tornando-o um atraente mercado de hidrogênio verde (H2V) para o mundo. As discussões em torno do objetivo de descarbonizar o planeta até 2050 estão em alta e têm impulsionado parcerias voltadas a ações de energias renováveis. O hidrogênio verde tem muito a colaborar para este processo e estima-se que renda ao Brasil um faturamento de R$ 150 bilhões ao ano até lá, conforme uma pesquisa da Green Hydrogen Opportunity in Brazil (Oportunidade de Hidrogênio Verde no Brasil), divulgada em 2023.

Quem está de olhos abertos sobre este mercado é a Alemanha, e o Brasil surge como um parceiro estratégico para as metas energéticas e climáticas do país europeu. Na avaliação do cônsul honorário da Alemanha em Curitiba e diretor da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná), Andreas Hoffrichter, “a Alemanha não é só um país que entende muito de energia renovável, mas sobretudo que compreende a eficiência energética. Então, não é só produzir energia por meio do sol, do vento ou da água, mas de maneira que tenha o mínimo de desperdício possível. E aí o Brasil tem o know-how e pode dar consultoria para vários projetos”, diz.

Hoffrichter acredita que, apesar da crise econômica que vive a Alemanha, o país europeu deve se recuperar em 2024 e este pode ser um mercado benéfico. “Não há condições melhores no mundo para a produção de energia renovável do que no Brasil. Este é um mercado estimado em R$ 150 milhões por ano para exportação. Tratamos muito sobre a transformação verde na Câmara em 2023, com alguns seminários, e vamos insistir neste tema este ano, para trazer investimentos da Alemanha para Curitiba”, destaca o diretor da AHK Paraná.

Tranformação de dejetos em hidrogênio verde

Hoffrichter fez parte de uma delegação do governo do Paraná, que esteve em Toledo, no Oeste do Paraná, no ano passado, para a assinatura de um acordo de cooperação bilateral com o estado alemão de Meckenburg-Vorpommen, da região Nordeste da Alemanha, na área da sustentabilidade, principalmente em ações de energias renováveis.

A Alemanha é referência mundial na utilização de biodigestores na produção de gás. Esses equipamentos aceleram a decomposição orgânica, extraindo dos dejetos gases que podem ser usados na indústria e outras atividades. A cidade de Toledo, por sua vez, é uma das maiores criadoras de frangos e suínos do Brasil e um dos projetos atende à questão de dejetos da produção destes animais em 17 municípios da região.

A parceria com empresas alemãs não só trará investimentos para o Paraná, mas solucionará o problema de destinação destes dejetos. Falando somente em frangos, o estado abate 10 milhões por dia. Todo o volume de dejetos que produzem não pode ir para o solo, pelo risco de deterioração do meio ambiente, por isso a importância de serem transformados em energia, explica Hoffrichter.

“Em Toledo, assinamos um contrato de cooperação para fazer um projeto de um biodigestor. Consiste em coletar detritos dos animais, como os frangos e os porcos, de cerca de 30 propriedades, colocar em um sistema de canalização e transformar tudo em biogás. Dele, depois, pode ser feito hidrogênio verde”.

O hidrogênio verde pode ser aproveitado para gerar eletricidade ou armazenamento de energia, por exemplo. Também pode ser combustível para carros, aviões, caminhões e navios.

Sobre a AHK Paraná – Estimular a economia de mercado por meio da promoção do intercâmbio de investimentos, comércio e serviços entre a Alemanha e o Brasil, além de promover a cooperação regional e global entre os blocos econômicos. Esta é a missão da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná), entidade atualmente dirigida pelo Conselheiro de Administração e Cônsul Honorário da Alemanha em Curitiba, Andreas F. H. Hoffrichter.