Home Sem categoria Corpo de Tim Maia deve ser exumado pela segunda vez; Entenda

Corpo de Tim Maia deve ser exumado pela segunda vez; Entenda

754
0

Um coreógrafo acredita ser filho do artista e entrou na Justiça solicitando o reconhecimento de paternidade

Tim Maia - (crédito: Reprodução Arquivo pessoal )
Tim Maia

Restos mortais do cantor Tim Maia podem ser exumados pela segunda vez mais de 20 anos depois de sua morte para realização de um exame de DNA. Um coreógrafo, identificado como Rodrigo Rezende, acredita ser filho do artista e entrou em 2021 na Justiça do Rio, solicitando o reconhecimento de paternidade.

Segundo informações do colunista Daniel Nascimento, do jornal O Dia, o coreógrafo desconfia ser filho de Tim Maia, pois sua mãe, que também era dançarina, viveu um relacionamento com o cantor. “Tenho elementos que me levam a crer que ele é o meu pai. Estou solicitando, mas o filho negou. Não existe ninguém querendo oportunidade. Se der positivo, ok, mas se der negativo, ok também”, declarou ele na época.

Acontece que, o único filho biológico de Tim Maia, o Carmelo Maia, recusou a fornecer o material genético do pai para que o exame fosse realizado. Entretanto, a defesa de Rodrigo Rezende entrou com um pedido na Justiça solicitando que o teste de DNA fosse realizado com o material genético que já foi retirado do fêmur do cantor, em 2012. Na época, Rafaela Soares Campos, acreditava ser filha de Tim Maia também entrou com um pedido, mas deu negativo.

O jornalista teve acesso aos documentos em que os advogados entraram com uma ação pedindo cópias dos arquivos digitais do Laboratório de Genética da UERJ para a realização da análise comparativa. E que esse documento seja enviado para o laboratório escolhido pela Justiça e não apenas as amostras dos restos mortais.

Inicialmente, a defesa do coreógrafo tentou evitar uma nova exumação. No entanto, não se sabe o que aconteceu com o material genético, pois até o momento a UERJ e UFRJ afirmam que será necessária uma nova exumação dos restos mortais do cantor, e nada mais é falado sobre. Além disso, o laboratório não informa se o material não serve mais para exame científico ou se foi “perdido” de alguma forma.

Correio Brasiliense