Home Sem categoria Atuação da Enfermagem: quando usar os curativos especiais no tratamento de feridas

Atuação da Enfermagem: quando usar os curativos especiais no tratamento de feridas

849
0

Possuem baixo custo, reduz a dor, traz conforto e previne complicações ao paciente

O Dia Internacional da Enfermagem acontece nesta sexta-feira, 12 de maio e o enfermeiro que atua na assistência à saúde, pode indicar o uso de curativos especiais. Você já ouviu falar nestas tecnologias de saúde? São coberturas escolhidas para o tratamento de feridas e que auxiliam o processo de cicatrização, reduzindo a dor e dando mais conforto ao paciente.

Segundo o enfermeiro e mestre em Ciências da Saúde e Biológicas, Eduardo Ferreira, eles são prescritos quando o corpo não consegue atuar controlando e regenerando a pele, ou quando há presença de um processo infeccioso abundante que precisa de um controle local mais específico.

“São vários benefícios para quem aplica. Possuem baixo custo, considerando que estes curativos têm características que passam mais tempo, ou seja, diminuem a frequência de trocas. Seu uso, quando indicado, previne complicações, internações hospitalares ou necessidade de procedimentos mais invasivos, através de instrumentos cirúrgicos, por exemplo. Como não existe muita manipulação da ferida, diminui a dor do paciente, trazendo mais conforto e promoção da saúde ”, informou.

Ele orienta que os curativos especiais não podem ser usados em todos os tratamentos de feridas. “Em feridas sangrantes utilizamos curativos com cálcio, em contaminadas as esponjas impregnadas com prata são prescritas, em casos de feridas secas, são usadas malhas com óleos petrolados que promovem uma umidade. Além disso, há avaliações se haverá ou não necessidade de retirada de partes que não possuem viabilidade de cicatrização, o chamado ‘desbridamento’”, contou.

Para ser indicado, esclarece Eduardo Ferreira, que também é professor do curso de Enfermagem na UniFTC, em Juazeiro, cabe ao profissional escolher qual curativo terá a melhor performance e trará o resultado esperado. “O enfermeiro precisa avaliar as áreas e identificar as causas da lesão, bem como, definir o tratamento adequado e a forma como deverá ser feito”. 

O especialista completa dizendo que cada curativo possui a sua particularidade e sua função, em determinado tempo, na cicatrização. “Todos os curativos são importantes no processo de cicatrização. Há curativos que exigem apenas a limpeza e a aplicação de uma espuma ou filme, já outros a retirada de áreas necrosadas, com o auxílio de materiais diferentes, conforme a característica de cada local afetado”, explicou.

Pode-se encontrar uma grande quantidade de curativos especiais no mercado. Eles estão disponíveis em farmácias, postos de saúde para serem aplicados quando necessário, clínicas, ambulatórios de feridas e em unidades de atendimento hospitalar. “Uma ferida em todo o seu tratamento pode utilizar de 2 a 3 curativos especiais, por exemplo, a depender das suas características”, comentou.

Diferença para o curativo simples

Os curativos simples seguem o mesmo objetivo dos especiais, que é chegar a uma cicatrização, informou o professor da faculdade em Juazeiro, Eduardo Ferreira. “O curativo simples auxilia o corpo no processo natural de reconstrução da pele, já os especiais atuam quando a cicatrização é mais lenta e demorada, quando a ferida está contaminada, com existência de necrose,  muito sangue, umidade excessiva ou muito seca”, relatou. (Ascom UniFTC)