Home Sem categoria “Até que a morte nos separe”: casal centenário morre no mesmo dia,...

“Até que a morte nos separe”: casal centenário morre no mesmo dia, após 78 anos juntos

1552
0

Mamédio, de 105 anos, já dizia à família que iria morrer no mesmo dia que Ana, de 100

"Ela amava ele demais", disse Ediana Magalhães, sobrinha-neta do casal Ana e Mamédio

O casal centenário de Paranã, Região Sul de Tocantins, foi fiel aos votos matrimoniais que fizeram no dia 26 de julho de 1945, quando selaram seu amor com o clássico “Até que a morte nos separe”. Depois de quase 80 anos juntos, Seu Mamédio, de 105 anos, e Dona Ana, de 100, morreram na sexta-feira (30), com quatro horas de diferença.

Quando Ana Araújo Magalhães foi internada com uma pneumonia forte, Mamédio Alves Magalhães começou a definhar porque parou de se alimentar. Pensando na melhora do idoso, a idosa voltou para casa, já debilitada e sem perspectiva de melhora.

Cinco dias depois da volta da idosa, na quinta-feira (29), Mamédio foi levado para o hospital, e, por orientação médica, ficou para tomar medicação.

A sobrinha que cuidava do casal, Ediana Quirino Magalhães, de 38 anos, em conversa com o G1, relatou como foram os últimos momentos dos tios, que, após 78 anos juntos, passaram as últimas quatro horas de vida separados.

Mamédio não resistiu e morreu no hospital às 4h da manhã, e Ana morreu em casa pouco depois das 8h.

Ediana com os 'avós', Ana e MamédioEdiana com os ‘avós’, Ana e Mamédio (Foto: Arquivo Pessoal)

“Na sexta-feira, umas 4h, a gente recebeu a ligação para correr atrás de tudo. Quando foi por volta de 8h, as pessoas que estavam me auxiliando foram dar um banho nela e aí ela ‘foi’ depois desse banho”, contou a sobrinha

Premonição
Ediana contou que seu Mamédio já dizia aos familiares que iria morrer no mesmo dia que sua esposa.

“Ele me chamou e falou para mim: ‘vou morrer no mesmo dia que ela. Nós vamos morrer juntos’. É muito bonita a história deles, ela amava ele mais que tudo”.

Desacreditada, a sobrinha, que considerava o casal de idosos como avós, não levou a sério o que o seu tio, que estava saudável, dizia.

“Eu não acreditei, ele falava que eles iriam no mesmo dia. E como estava lúcido, andando normalmente, eu achava que ele não ia se abalar a este ponto”, conta.

Apesar da idade avançada e da saúde abalada, eles nunca deixaram de cuidar um do outro.

O casal Mamédio Alves Magalhães e Ana Araújo Magalhães nasceu e morreu em ParanãO casal Mamédio Alves Magalhães e Ana Araújo Magalhães nasceu e morreu em Paranã (Foto: Arquivo Pessoal)

“Ele tinha 105 anos, mas ainda falava. Estava lúcido, lúcido. Ela já não era tão lúcida e se acalmava só quando a gente falava Mamédio. Quando era meio-dia, ela perguntava se a gente tinha dado comida para ele [Mamédio]. Ela não lembrava o nome de mais ninguém, só o dele”, revelou a sobrinha-neta

Velório
Família e amigos puderam se despedir do casal na fazenda Serra Azul, onde foram velados e sepultados na manhã desse sábado (1°).

Era uma vontade dele. Desde antigamente que as pessoas enterravam na fazenda. Então não teve nem como ficar na cidade, isso para fazer o desejo dele”, contou Ediana, lamentando a perda dos avós centenários.

Ser enterrado na propriedade da família já era um desejo antigo de Mamédio, que foi cumprido pela família.

Por Portal Folha de Pernambuco