Depois das contradições da Prefeitura de Petrolina ao tentar justificar a falta de aulas para os alunos do 5º ano da Escola Municipal Eliete de Souza que há três semanas não tem professor substituto para ocupar a função do profissional que está de licença médica, o líder da Bancada de Oposição, Paulo Valgueiro, procurou na manhã da segunda (19), o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE) para investigar às denúncias recém divulgadas na imprensa local.

Em um Blog de Petrolina a Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (Seculte), admite a falta do professor e informa que um substituto será encaminhado nos próximos dias para a unidade de ensino. “Constantemente alguns educadores, por questões de saúde, apresentam atestados solicitando afastamento temporário. Por esse motivo, a secretaria está organizando um banco de dados com servidores contratados para suprir essas ausências. A Prefeitura de Petrolina ressalta que todos os dias letivos serão cumpridos”,destaca a nota.

Já em um veículo da capital, o prefeito Miguel Coelho desmente a situação. “QUEM TEM RAZÃO? – O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (sem partido), desmente o ex-prefeito Júlio Lóssio (PSD), que acusou uma escola de passar três semanas sem aula porque uma professora adoeceu. Lóssio diz, no entanto, que colheu a informação nos blogs da cidade”, texto da publicação.

Além do problema maior que é o prejuízo à educação dos jovens de Petrolina, quem está com a razão, o prefeito Miguel Coelho ou a Secretaria de Educação?

Com o objetivo de acabar com esse imbróglio, o vereador Paulo Valgueiro buscou a Justiça para apurar a denúncia da mãe dos alunos, prejudicados com a falta de professores nas unidades de educação municipal, que levou outros responsáveis a publicarem nas redes sociais, reclamações no mesmo teor: falta de aula por ausência de profissionais de educação no município.

Mediante a falta de justificativas consistentes sobre esse problema no município, Valgueiro quer saber da Prefeitura porquê a ausência de professores não é um caso isolado de uma unidade de ensino, o porquê da Secretaria de Educação não ter um planejamento para evitar prejuízos ao ano letivo desses alunos e ainda por que a demora para resolver o problema da falta de professores em Petrolina.  Situação que infringe a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e o Plano Nacional de Educação.(Ascom)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui