Home Sem categoria Vereador Marquinhos do N4 pede que Projeto do Plano Diretor de Petrolina...

Vereador Marquinhos do N4 pede que Projeto do Plano Diretor de Petrolina seja desengavetado

63
0
marquinhos do n-4 – Blog do Waldiney Passos
Vereador Marquinhos do N4

Elaborado e pronto desde 2016, o Plano Diretor de Petrolina ainda não foi executado e o vereador Marquinhos do N4 reforçou seu pedido em entrevistas a alguns veículos de comunicação, nessa quinta (25), para que este projeto seja desengavetado, em prol da melhoria da qualidade de vida da população petrolinense.

Na sessão passada, o vereador já havia solicitado através de um Requerimento Verbal, durante a sessão ordinária na Casa Plínio Amorim, que o Executivo municipal tire da gaveta e execute o Projeto.

Segundo ele, com o Plano Diretor aplicado no município, além dos benefícios levados à população da sede do município, a área irrigada também será beneficiada.

Entre algumas mudanças que trará benefícios à população do interior será o direito à escritura de suas casas e áreas de plantio, que atualmente não tem e o governo municipal terá a obrigação de investir em obras de infraestrutura. “Que realmente vai beneficiar a área de sequeiro e a área irrigada, enfim toda a população rural de Petrolina, bem como da sede do município”, salienta Marquinhos do N4.

O vereador, que é líder da Bancada de Oposição na Câmara, propôs, diante da falta de investimentos há alguns anos na zona rural de Petrolina, que seja instituída na Casa, a Bancada da Área Irrigada para fortalecer a luta pelas causas do homem do interior. “Com a formação da Bancada do Interior, nós vereadores que representamos essa classe poderemos estar discutindo a implantação de projetos e a realização de obras para a população da zona rural”, frisa.

Marquinhos do N4 propõe que o Legislativo Municipal busque acabar com o ‘imbróglio’ que atrasa os investimentos de obras no interior do município, inclusive com o jogo de ‘empurra-empurra’ entre a Codevasf e o Distrito de Irrigação Nilo Coelho (DINC), já que a população da sede do município já é obrigada a conviver com essa celeuma entre a Prefeitura Municipal e a Compesa.

Ascom