Capacitar produtores rurais e profissionais que trabalham com a produção e comercialização de queijos.  É com este objetivo que a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), realiza o I Workshop de Queijos Artesanais do Vale do São Francisco. O evento será realizado nos dias 10 e 11 de outubro, no auditório da biblioteca da Univasf, Campus Sede, em Petrolina (PE). Durante o Workshop acontecerá também o I Torneio de Queijo Caprino do Vale do São Francisco.  As inscrições estão abertas e com vagas limitadas.

As inscrições para participar do Workshop são realizadas através do link. Até o dia 10 de setembro, a inscrição custa R$ 60,00 e após essa data o valor está sujeito à alteração.  Para confirmar a participação no evento, será necessário enviar o nome completo, CPF e comprovante de pagamento para o e-mail: workshopdequeijosartesanais@gmail.com. Os interessados em participar do Torneio de Queijos devem enviar para o e-mail a ficha de inscrição disponível no link, junto com as informações citadas anteriormente. A inscrição para o torneio custa R$30,00 por cada queijo inscrito em qualquer categoria.

O evento é organizado pelo Grupo de Estudos em Caprinos Leiteiros, vinculado ao Colegiado de Medicina Veterinária da Univasf; pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias no Semiárido; e pela Pós-Graduação em Ciência Animal.  Para o professor Daniel Ribeiro, coordenador do evento, o Workshop visa refletir através das palestras, um sistema para a criação de cabras leiteiras, levando em consideração a agroecologia, para a preservação do meio ambiente.

Para Ribeiro, o evento irá colaborar para a inovação da produção de queijos coalhos da região. “Vai ser discutida a produção de queijos finos. Aqui na região, tem muita produção de queijo coalho e o diferencial é produzir um queijo melhor e de qualidade, no qual o produtor possa agregar mais valor ao produto”, afirma o professor.

Ribeiro acrescenta que o evento irá favorecer a criação de um queijo próprio do Vale do São Francisco. “Existe a possibilidade de criar o nosso queijo aqui da região, desenvolver um produto local e que pode ter um selo no futuro para ser vendido na região, no Brasil, e quem sabe ser exportado”, finaliza.(Ascom)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui