Home Sem categoria Um dia para lembrar a importância do microbioma humano

Um dia para lembrar a importância do microbioma humano

863
0

Celebração foi criada em 2018 para ressaltar a diversidade de microrganismos presentes em todo o planeta

Silhouette of a human with skin flora,microorganisms which naturally colonize the human skin – 3d illustration

Comemorada em 27 de junho, data também serve para ressaltar a importância do microbioma intestinal

No Dia Mundial do Microbioma – World Microbiome Day, a proposta é celebrar todo o universo microbiano do planeta. Afinal, microrganismos estão praticamente em toda parte e, embora sejam invisíveis a olho nu, vivem nas plantas, nos animais, na água, no solo, nos alimentos e nos seres humanos e são fundamentais para a vida na Terra. Juntos, os microbiomas contribuem para ambientes limpos, sustentam sistemas alimentares, mitigam as mudanças climáticas e mantêm as pessoas saudáveis. Os microbiomas do oceano, por exemplo, produzem a maior parte do oxigênio que os seres humanos respiram e têm a capacidade de absorver dióxido de carbono na mesma quantidade das plantas. Na terra, microrganismos fixam o nitrogênio no solo, convertendo-o em uma forma que faz com as plantas cresçam.

Mas, sem dúvida, o microbioma humano – formado por bactérias, fungos, vírus e outros microrganismos com seus respectivos genes – é o que mais tem instigado os cientistas e, nos últimos 20 anos, esses estudos ganharam ainda mais peso e consistência graças às novas ferramentas de biologia molecular e aos métodos de sequenciamento genético que permitem uma série de análises desses seres microscópicos. O ser humano possui cinco sítios microbianos: oral, nasal, pele, gastrointestinal e urogenital, que abrigam trilhões de microrganismos importantes para a homeostase do organismo, mantendo as condições internas necessárias para a vida.

A importância desse mundo microscópico que habita os seres humanos foi confirmada por pesquisadores do Projeto Microbioma Humano (Human Microbiome Project) que avaliaram, de 2007 a 2016, 15 a 18 locais de coleta no corpo de 300 indivíduos saudáveis (mais de 11 mil amostras) e identificaram mais de 10 mil espécies microbianas. Esse universo microbiano tem um total de 3,3 milhões de genes – 150 vezes a quantidade de genes do DNA humano, que é de 22 mil. Dos 100 trilhões de microrganismos que compõem o microbioma – número 10 vezes maior que a quantidade de células humanas –, 70% estão concentrados no intestino. Esse complexo ecossistema inclui vários tipos de microrganismos que interagem com o organismo e são fundamentais para manter a imunidade e a saúde.

A microbiota intestinal humana é única como uma impressão digital, é formada a partir do nascimento até os três anos de idade e alterada de acordo com estilo de vida, uso de medicamentos, álcool, drogas e envelhecimento, entre outros fatores. Os estudos desenvolvidos ao longo das últimas décadas mostram que o uso de probióticos também pode alterar a microbiota temporariamente de forma positiva, ajudando a prevenir uma série de problemas. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO/OMS) define probióticos como ‘microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem um benefício de saúde ao hospedeiro’. Os probióticos podem ser encontrados em alimentos fermentados e suplementos alimentares.

Um dos probióticos mais estudados do mundo é o Lactobacillus casei Shirota, descoberto em 1930 pelo médico sanitarista Minoru Shirota e que está presente nos leites fermentados da Yakult desde 1935. Inúmeras pesquisas realizadas no Instituto Central Yakult, em Tóquio, e em várias outras instituições de pesquisa ao redor do mundo, têm demonstrado que este probiótico é altamente resistente à passagem pelo suco gástrico e consegue chegar vivo e em grande quantidade ao intestino, onde produz vários metabólitos, entre os quais o ácido lático, responsável por melhorar a digestão e absorção dos nutrientes pelo organismo. Além disso, contribui para a diminuição das bactérias nocivas na microbiota e para a consequente diminuição de substâncias tóxicas no intestino, entre outros benefícios.

Mais informações

O Leite Fermentado Yakult completa 87 anos em 2022 e continua sendo o carro-chefe da empresa sediada em Tóquio, no Japão. Desde que o médico Minoru Shirota criou o Leite Fermentado com o exclusivo probiótico Lactobacillus casei Shirota, em 1935, e fundou a Yakult, em 1955, a empresa sempre teve grande preocupação em desenvolver alimentos que beneficiem a saúde das pessoas. Por isso, mantém o Instituto Central Yakult, em Kunitachi, Tóquio, que realiza inúmeros estudos relacionados ao intestino humano. Nos 40 países e regiões em que está presente, a Yakult possui aproximadamente 80 mil comerciantes autônomas (conhecidas como Yakult Ladies) – 32,7 mil no Japão e 47,5 mil em 12 outros países, incluindo o Brasil – que levam os produtos de porta a porta para milhões de consumidores, mesmo nos locais mais distantes. No mundo, mais de 40 milhões de pessoas consomem Leite Fermentado Yakult com Lactobacillus casei Shirota diariamente (resultado de 2020). Para outras informações, basta acessar o site www.yakult.com.br ou as redes sociais da empresa: Facebook/yakultbrasiloficial e Instagram@yakultbrasil.

Assessoria de Imprensa Yakult

  • Adenilde Bringel – (11) 4432-4000
  • assessoriayakult@companhiadeimprensa.com.br
  • adbringel@companhiadeimprensa.com.br

Previous articleCom o pátio lotado, quinta noite do São João de Petrolina é marcado por forró, sofrência e funk
Next articleVitória de Santo Antão unida com Danilo