Segue para análise do Senado PL que aprova suspensão de pagamentos ...

Por unanimidade, os senadores aprovaram nesta terça-feira (12) o projeto que suspende os pagamentos devidos por estudantes ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) durante o período de vigência do estado de calamidade pública decorrente da covid-19.

O texto original, do deputado Denis Bezerra (PSB-CE), suspendia os pagamentos ao Fies por 60 dias, mas o prazo foi estendido pelos senadores até 31 de dezembro de 2020.

Serão contemplados tanto estudantes adimplentes quanto os inadimplentes que estejam com parcelas em atraso por, no máximo, 180 dias (seis meses). Antes de ser remetido à sanção presidencial, o texto vai retornar à Câmara dos Deputados, que pode referendar ou rejeitar as modificações feitas pelo Senado.

Relatado pelo senador Dário Berger (MDB-SC), o objetivo do texto é estimular as renegociações de dívidas estudantis. Os estudantes poderão liquidar integralmente os débitos, até o fim de 2020, em parcela única com redução total dos encargos, ou optar pelo parcelamento. Se a opção for pela divisão em até 145 parcelas, haverá redução de 40% dos encargos. Se o estudante optar por parcelar em até 175 vezes, terá diminuição de 25% do ônus. Nos dois casos, o vencimento é a partir de janeiro de 2021.

Os senadores incluíram uma nova alternativa de liquidação: pagamento em 4 parcelas semestrais, até 31 de dezembro de 2022, ou em 24 parcelas mensais, com redução de 60% dos encargos, com vencimento a partir de 31 de março de 2021.

O texto do Senado reduziu o aporte que a União fará ao Fundo Garantidor do Fies (FG-Fies), que tem por função garantir o crédito do Fies. Os deputados haviam estipulado que o valor passaria dos atuais R$ 3 bilhões para R$ 5,5 bilhões. Acatando emenda do líder do governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), o Senado reduziu esse valor para R$ 4,5 bilhões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui