Resultado de imagem para cpmf nao

A CPMF foi apenas uma cortina de fumaça para degolar o secretário da Receita Federal e colocar no lugar dele alguém da confiança de Bolsonaro, que possa aparelhar o órgão e garantir ao presidente a blindagem que deseja. Esta é a avaliação do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), sobre a queda de Marcos Cintra do governo.

O senador acredita que Bolsonaro ainda pretende, com todas as mudanças que têm feito em órgãos como o Coaf e a Polícia Federal, se utilizar dessas instituições para perseguir adversários.

Para Humberto, essa história de que o secretário da Receita caiu por causa da CPMF é uma imensa balela, pois ele jamais deixaria o posto por defender uma ideia que não é só sua, mas, fundamentalmente, do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do próprio Bolsonaro.

“Marcos Cintra caiu por um motivo só: ele não entregou ao presidente da República o que ele queria, a blindagem. Ele não quis, ou não conseguiu, botar rédea numa Receita que está agindo alinhada a Sergio Moro e aos procuradores da Lava Jato e vem ameaçando a própria família Bolsonaro com uma devassa”, afirmou.

O parlamentar diz que está havendo uma queda-de-braço pela apropriação dos órgãos de Estado entre Bolsonaro e seu grupo político e Sergio Moro e a organização criminosa que opera dentro Lava Jato. “Pelo bem da democracia, que percam os dois”, disparou.

O líder do PT no Senado entende que, do mesmo jeito que vasculharam arbitrariamente a vida de dezenas de agentes públicos – muitos dos quais altas autoridades, como ministros do Supremo Tribunal Federal – auditores da Receita também têm avançado sobre os interesses de Bolsonaro, seus familiares e amigos, ameaçando descobrir e revelar atividades financeiras escusas.

Ele lembra que os escândalos revelados recentemente vão de rachadinhas à lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio, cujo potencial seria o de chantagear o presidente com os crimes descobertos e torná-lo refém “desse grupelho que opera nas sombras do Estado”.

“Essa é a tônica do Estado totalitário, do Estado despótico, cujo governo se apropria das instituições para projetos políticos. Aqui no Congresso, e recorrendo ao STF sempre que necessário, nós ofereceremos uma ampla resistência a essa nefasta guerra travada nas sombras dos órgãos do Estado que ameaça, sobretudo, a própria democracia brasileira”, ressaltou.(Ascom)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui