Petrolina fecha a semana com um recorde no número de casos de Covid-19, um total de 652 aponta estudo da Facape. Segundo atualização do boletim covid-19, comandado pelo professor e pesquisador, João Ricardo Lima, da Facape, o pico da pandemia até então era o período entre 27 de julho e 02 de agosto com 487 novos casos e a semana seguinte, entre 03 de agosto e 09 de agosto com 485 casos. Para o pesquisador, o grande agravante do aumento de casos na cidade ocorre devido ao período eleitoral.

O mês de agosto intensificou o processo de flexibilização das atividades de comércio, algo muito importante, pois a crise de saúde gerou uma crise econômica. Contudo, segundo aponta a pesquisa da Facape, o processo de flexibilização ocorreu de forma incorreta e apressada, sem medir os impactos de cada etapa de abertura e sem a realização de um processo de conscientização da população.

De acordo com os dados, em setembro o número de casos já começou a voltar a subir. Com isto, houve uma impressão por parte da população, de que a pandemia teria sido controlada, e os índices de isolamento, que tinham estabilizado, mesmo com a abertura do comércio, voltaram a diminuir. Desde então as pessoas que deixaram o isolamento, se aglomeraram e não seguiram mais à risca os protocolos de prevenção.

O processo eleitoral feito de forma totalmente irresponsável pelos políticos, também agravou a situação da pandemia. As autoridades demoraram muito para impedir as carreatas e passeatas. As consequências de tudo isso aparecerão rapidamente, entre 15 e 21 dias, a quantidade de novos casos ainda deve crescer muito, aponta a pesquisa.  A única coisa que pode impedir isto de aparecer nos resultados é se houver uma queda nas testagens. Se as cidades voltarem a testar algo em torno de 2500 testes por semana em Petrolina-Pe e próximo de 1000 testes em Juazeiro-Ba, todos vão presenciar o forte crescimento da quantidade de casos ativos nas cidades.

Petrolina nunca teve tantos casos ativos, o número atual supera os 2.000 casos. A cidade já chegou a ter apenas 621 casos, no dia 06 de setembro. Para o pesquisador João Ricardo, esses são erros na condução da pandemia que poderiam ter sido evitados. A população erra ao reduzir os cuidados e os empresários também erram, quando visam lucro e permitem ter uma quantidade muito grande de pessoas em seus estabelecimentos comerciais e mesas de bares e restaurantes, mesmo sendo a céu aberto.

“Assim, quem tiver consciência, se cuide. Este momento é o pior já vivido em termos de possibilidades de se contrair a doença. Temos que agradecer os profissionais de saúde que entendem melhor a melhor a pandemia hoje, e estão melhor treinados para evitar o pior. Mesmo assim, a cada 100 pessoas contaminadas, dois irão a óbito. E ninguém quer ser um destes ou perder um membro da família”, conclui João Ricardo.

Assessoria de Comunicação da Facape

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui