Em abril, os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) aumentaram 3,2%, em Pernambuco, quando o mês é comparado com o mesmo período do ano passado. Ao todo, 320 mortes violentas foram notificadas no último mês, contra 310 em abril de 2019.

Nos quatro primeiros meses de 2020, o Estado soma um total de 1.311 vítimas, número 8,6% maior que as 1.207 do intervalo entre janeiro e abril do ano passado.

“O tráfico de drogas continua sendo a grande motivação dos homicídios, e ainda mais. Em não havendo o pagamento das dívidas de entorpecentes, por meio de roubos e furtos de objetos como os celulares, o preço cobrado é a vida. Estamos enfrentando um cenário de vulnerabilidade social, em que todo o efetivo de segurança está se desdobrando para proteger a população do avanço da Covid-19 e garantir a ordem e a paz social”, diz o secretário Antonio de Pádua.

Os municípios que compõem o Agreste e o Sertão terminaram abril com redução no número de crimes contra a vida.

Enquanto no Agreste a queda chegou a 10,13% (caindo de 79 mortes em 2019, para 71, neste ano), o Sertão apresentou retração de 2,86% (35 assassinatos no ano passado, contra 34, em 2020). Já a Zona da Mata manteve os números de CVLI inalterados, com 72 crimes do tipo nos dois anos.

Na Região Metropolitana do Recife (exceto a Capital), ocorreram 8,14% a mais de mortes (de 86, em 2019, para 93). Quando analisada apenas a cidade do Recife, que somou 50 homicídios, no mês passado, o aumento chegou a 31%. No ano passado, haviam sido 38 casos.

Prisões

No mês passado, o trabalho integrado das Polícias Militar, Civil e Científica foi responsável pela prisão de 78 acusados de CVLI em flagrante delito.

Outros 55 acabaram presos por força de mandados de prisão, totalizando 133 delinquentes presos em apenas um mês.

Estupros e violência doméstica

Entre os crimes praticados contra a mulher, as forças de segurança registraram uma redução de 25,45% nas queixas de violência doméstica. Por sua vez, os estupros caíram 27,57%.

No primeiro caso, computaram-se 3.466 denúncias em abril do ano passado, contra 2.584 queixas registradas no deste ano. Já em relação aos estupros, 134 mulheres fizeram denúncias às policiais no mês passado, contra 185 em abril de 2019. Quanto aos feminicídios, houve 7 em abril passado. No mesmo período de 2019, haviam sido 4 mortes, um aumento de 75%.

“É fundamental reforçarmos a importância da denúncia que deve ser feita de imediato e de forma presencial, para que se realizem exames e perícias, a exemplo da traumatológica e da sexológica, de modo a comprovar o crime e responsabilizar judicialmente o agressor. Sabemos que a quarentena em que nos encontramos é um momento difícil para as vítimas, mas fazer o boletim de ocorrência é importante”, afirma a delegada Julieta Japiassu, gestora do Departamento da Mulher da Polícia Civil de Pernambuco (DPMul).

Atualmente, Pernambuco conta com Delegacias da Mulher em Santo Amaro (Recife), Prazeres (Jaboatão dos Guararapes), Cabo de Santo Agostinho, Paulista, Vitória de Santo Antão, Goiana, Caruaru, Surubim, Afogados da Ingazeira, Garanhuns e Petrolina.

Onde não houver uma unidade especializada, a população pode procurar qualquer delegacia de plantão da cidade em que se está, a fim de formalizar a ocorrência.

A Polícia Civil também incluiu uma série de crimes no rol dos delitos que podem ser registrados por meio da Delegacia pela Internet (no site www.sds.pe.gov.br), mas isso não vale para casos que envolvam agressões físicas e sexuais.

Denúncias e informações sobre a rede de proteção podem ser feitas por meio da Ouvidoria Estadual da Mulher, no telefone 0800-281-8187. Em situação de emergência policial, falar com o 190.(Via: Blog do Jamildo)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui