Ney Vital

A voz forte de Luiz Gonzaga ainda ecoa, dirigindo-se para as autoridades, para denunciar o descaso, a burocracia que seguram e impedem a velocidade de fazer um turismo e setor cultural gerador de emprego e renda.

Infelizmente mais uma vez temos que vir a público denunciar o descaso que o Governo Federal e do Estado de Pernambuco tem com aquele que deveria ser um dos principais Patrimônios da Cultura: Luiz Gonzaga e sua sanfona.

É a voz de Luiz Gonzaga ainda forte, a fonte maior de sua força social e “a bandeira do sertão nordestino em que tremula o Brasil inteiro”.

É triste e assustador, mas é desafiante saber que estamos na semana da celebração da data de morte de Luiz Gonzaga, 02 de agosto e assistimos o pouco caso dos Governos.  Para onde está caminhando a Política Cultural brasileira?

Este assunto evoca os versos de uma canção: “Tanta saudade preservada num velho baú de prata dentro de mim / Digo num velho baú de prata porque prata é a luz do luar”. Este baú é como um museu pessoal, o museu que todos temos, feito de lembranças, quinquilharias e reminiscências que alimentam o nosso presente. Como todos os museus pessoais, o da canção tem “qualquer coisa” que vai além do “eu”.

Gilberto Gil, ex-ministro da cultura disse que há um momento e um território em que o canto da memória se encontra com outras memórias e outros cantos. E se transforma a partir dos encontros feitos. Os museus de pedra e cal e os museus virtuais são baús abertos da memória afetiva da sociedade, da subjetividade coletiva do país, da soma dos museus pessoais.

É preciso que o Museu do Gonzagão se mantenha vivo e pulse, consagrando o jogo de tradição e invenção que dialeticamente marca a construção da cultura brasileira.

O Museu de Luiz Gonzaga em Exu, têm cheiro de vida e nele está o alimento, a raiz da música mais brasileira inspirada no toque da sanfona de Luiz Gonzaga, de seus compositores e seguidores. E esta raiz remete ao cosmo (e ao caos) das musas.

O museu é a casa das musas. E não por acaso a musa da música tem lugar privilegiado no Templo das Musas, no museu das artes, no panteão das musas que desde a mitologia grega são as inspiradoras de toda arte, de toda criação humana. Os museus abrigam o que fomos e o que somos. E inspiram o que seremos.

O Parque Asa Branca precisa ser visto como um lugar de criação, diálogo e preservação do aqui e do agora. Esta noção está na base dos esforços de todos que preservam a memória e história de Luiz Gonzaga.

Os museus são “pontos de cultura”. O Parque Asa Branca deveria cumprir um papel de referência e base para o futuro da cultura. O Museu Gonzagão significa música e poesia para os nossos corpos, mentes e espíritos.

O alerta é para que o pedido de Luiz Gonzaga não se perca no tempo: “Não deixem nosso forró morrer”.

*Ney Vital é jornalista

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui