(Foto: Reprodução/Instagram)

Após a enorme repercussão do vídeo, o motoboy Matheus Pires Barbosa, que foi humilhado e vítima de racismo por Mateus Abreu Almeida Prado Couto, em um condomínio em Valinhos, no interior de São Paulo, tem recebido grande apoio nas redes sociais. O entregador de 19 anos ganhou uma moto nova e 1,9 milhões de seguidores do Instagram. Além disso, uma vaquinha virtual foi criada para ajudar o jovem a conquistar a casa própria e investir nos estudos. Valor já soma mais de R$ 150 mil.

O caso, que ocorreu em 31 de julho, viralizou nas redes sociais na última sexta-feira (7/8). O humorista Matheus Ceará foi o responsável por presentear Matheus com a motocicleta. Em uma rede social, o artista se disse “sensibilizado” e afirmou ter se identificado com a história do rapaz. “Me fez lembrar quando cheguei em Campinas e vendia trufas de porta em porta. Chamaram a polícia, me trataram como bandido”, relatou Ceará.

Já a arrecadação do dinheiro foi organizada pelo portal Razões Para Acreditar. A meta inicial, de R$ 100 mil, foi alcançada em menos de 24 horas. Por isso, o site estendeu as contribuições para R$ 150 mil, valor que também já foi atingido. “O foco agora é também comprar uma casa pra ele e investir nos estudos, carreira e proporcionar o futuro brilhante que o Matheus merece!”, diz em nota. Até esta segunda-feira (10/8), a arrecadação soma R$ 152 mil, com cerca de 2,5 mil apoiadores.

Instagram

No Instagram, o motoboy já acumula quase 2 milhões de seguidores, em meio a milhares de mensagens positivas em suas publicações.

Em uma das fotos o repórter e comentarista Chico Garcia disse: “Sucesso na vida, você merece isso e muito mais!”. O crítico Thiago Rocha sugeriu que fizessem uma vaquinha para o jovem porque, segundo ele, Matheus merece não só a moto, mas “ganhar uma casa no mesmo condomínio que o ‘cliente’ disse que você não teria a capacidade de ter”.

Representação criminal por injúria racial

A defesa do Matheus Pires Barbosa, o advogado Márcio Abreu, apresentou uma representação criminal por injúria racial contra Mateus Abreu Almeida Prado Couto, na manhã desta segunda-feira (10/8).

Ainda pela manhã, o jovem também prestou depoimento na delegacia. O advogado disse que vai procurar mostrar que o agressor não estava em surto esquizofrênico, como alegou o pai. “Aparentemente, ele estava em seu estado normal. Mas isso vai demandar perícia, vai demandar uma investigação. Agora, o inquérito policial vai se seguir, vai ser concluído e enviado posteriormente para o Judiciário”, explicou ao portal G1.

O condomínio Vila Bela Vista, onde aconteceu a cena, instalou uma faixa de repúdio contra o morador ao lado da portaria e pediu que a Polícia Militar fizesse um monitoramento na área. Um grupo de aproximadamente 100 motoboys também fez um buzinaço pacífico em frente ao condomínio do agressor.(Diário de Pernambuco)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui