Home Sem categoria ‘Mostrar os peitos não diminui minha bandeira racial’, diz Lumena Aleluia

‘Mostrar os peitos não diminui minha bandeira racial’, diz Lumena Aleluia

472
0

A ex-BBB rebateu as críticas que tem recebido por criar um perfil no Privacy, plataforma de imagens e vídeos sensuais

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – “Se o feminismo se pauta pelos direitos e liberdade, também precisa incluir nisso as mulheres que trabalham com conteúdo adulto. Ou será que viramos a escória do feminismo? Não somos passíveis de estar dentro dos diálogos?” É dessa forma que a psicóloga, DJ e ex-BBB Lumena Aleluia, 31, rebate as críticas que tem recebido por criar um perfil no Privacy, plataforma de imagens e vídeos sensuais.

Segundo ela, as mensagens de ódio que ela tem recebido pouco mais de uma semana após anunciar a novidade já superam as que recebeu após o Big Brother Brasil 21 (Globo), de onde foi eliminada com 61,31% dos votos e cuja participação ficou marcada por uma briga com a participante que viria a se tornar campeã, Juliette. “Ao longo desses meses eu vinha convertendo esse ódio em coisa boa, mas, quando eu lancei o Privacy, começaram a dizer que eu reforçava os estereótipos e a objetificação da mulher. Hipocrisia”, defende.

Na opinião dela, esse é um problema estrutural histórico do qual ela não é a culpada. Lumena opina que as pessoas precisam ter o livre arbítrio de trabalhar da forma que acharem mais conveniente, sem serem apontadas ou rotuladas. “É como negar um direito individual. Mostrar meus peitos não diminui minhas bandeiras raciais e de gênero”, afirma.

Na plataforma, cuja assinatura varia entre R$ 79,90 e R$ 469,81, Lumena posta vídeos sensuais produzidos em motéis, ensaios fotográficos de lingerie e faz comentários mais picantes. Segundo ela, o assinante tem o direito de pedir algo específico para que ela faça. E, como o trabalho como DJ de pagodão baiano continua, ela pretende começar a produzir vídeos sensuais mesclando os dois ramos de atuação.

A vontade de migrar para essa área mais sexy surgiu após o Carnaval. Lumena conta que não teve coragem de vestir fantasia sensual num desfile e que depois refletiu sobre essa possibilidade de se livrar de amarras. Hoje, mesmo com pouco tempo no novo trabalho, ela conta que seu investimento inicial já foi superado em oito vezes e que a demanda tem sido considerável.

“Percebi que há um universo amplo que mexe com fetiche e busco parcerias. Posto material todos os dias. Meu conteúdo é democrático. Em breve também terei conteúdo que acione a minha intelectualidade, fotos com livros e óculos, para contribuir para esse imaginário e brincar com os meus universos”, conclui Lumena, que também é pesquisadora. (Ascom)

Previous articlePiso salarial do farmacêutico de R$ 6,5 mil é aprovado. Saiba quando será aplicado
Next articlePEC dos Auxílios: veja benefícios aprovados para caminhoneiros e taxistas