Home Sem categoria Mortes por doenças cardiovasculares aumentam até 132% no Brasil durante a pandemia

Mortes por doenças cardiovasculares aumentam até 132% no Brasil durante a pandemia

65
0

Pesquisa mostra que os procedimentos hospitalares reduziram 45% e as cirurgias 44%. Em Feira de Santana, na Bahia, houve redução na quantidade de consultas e exames

Além dos óbitos causados diretamente pela doença, a Covid-19 também é apontada como responsável pelo aumento de mortes entre pessoas com doenças cardiovasculares. Segundo estudo de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do Hospital Alberto Urquiza Wanderley e da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), as mortes por doenças cardiovasculares não especificadas, infartos e AVCs (Acidentes Vasculares Cerebrais) chegaram a aumentar em 132% em Manaus, 126% em Belém, 87% em Fortaleza, 71% em Recife, 38% no Rio de Janeiro e 31% em São Paulo. A pesquisa comparou dados de 2019 e 2020.

Na Bahia, um levantamento realizado pela Santa Casa de Misericórdia de Feira de Santana, revelou que apenas 30 consultas cardiológicas foram realizadas entre março e abril de 2020. No mesmo período do ano de 2019, a quantidade alcançou o número de 379 consultas, portanto, uma redução de 90% nos atendimentos preventivos. O levantamento constatou ainda que a rotina dos atendimentos na unidade hospitalar teve redução de 84% na realização dos testes ergométricos e a procura por exames como Eletrocardiograma e Ecocardiograma diminuiu em 94% e 81%, respectivamente.

A hipótese levantada por cientistas e médicos é que, por medo de se expor ao novo coronavírus, os pacientes que apresentam sintomas ou mesmo diagnósticos de doenças cardiovasculares não estejam buscando atendimento médico. Este comportamento causou a redução de 15% nas internações hospitalares e os procedimentos e cirurgias caíram 45% e 44%, respectivamente. Sem o acompanhamento adequado, esses pacientes evoluem para quadros mais graves e têm mais riscos de morte.

Para a cardiologista e professora da Rede UniFTC Lucélia Magalhães, os pacientes devem continuar buscando os serviços de saúde normalmente, seguindo as orientações para evitar a contaminação pela Covid-19, como usar máscaras e lavar as mãos corretamente. explica a especialista.

Ainda de acordo com a cardiologista, é possível evitar complicações cardiovasculares com cuidados simples no dia a dia. “Primeiro é preciso ter muito cuidado com a alimentação. Procurar uma orientação adequada com uma nutricionista e buscar profissionais para pôr em prática as atividades físicas. Em casa, todos acabam comendo bastante e de forma irregular e, sem dúvida, ganhando peso”, informou.

Segundo o Ministério da Saúde, a prática de atividade física é considerada um serviço essencial para manutenção da saúde física e mental da população. A coordenadora do curso de Educação Física da Rede UniFTC, Marion Dias, destaca que a prática regular de exercícios está associada a uma melhora da função imunológica, otimizando as defesas do organismo perante agentes infecciosos. “Isso não quer dizer que uma pessoa fisicamente ativa esteja imune ao coronavírus, pois é um agente infeccioso novo”, disse a profissional de Educação Física.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva, os exercícios ao ar livre são mais seguros, mas é importante seguir o protocolo de prevenção da Vigilância Sanitária. “Está comprovado que em locais abertos e ventilados, como praças e orlas, o risco de contaminação é pequeno. Se preferir ficar em casa, aderir às atividades domésticas através de vídeos de profissionais de Educação Física, disponibilizados pelas redes sociais, mas é essencial que a população fique atenta se a prática é feita por um profissional credenciado pelo Conselho Regional de Educação Física”, explicou Marion Dias.

Os que preferirem ir às academias devem ter muita atenção ao realizar os exercícios nestes locais fechados. “Todas as academias estão seguindo os protocolos de biossegurança, mas é importante que o praticante verifique se o local está bem ventilado, se os aparelhos estão sendo higienizados regularmente, além de respeitar o distanciamento de 1,5 m e usar álcool gel a 70%. O uso da máscara é imprescindível. Sabemos que incomoda, mas já existem no mercado máscaras próprias para prática de atividades físicas que oferecem melhor respiração, proteção e ventilação. É só buscar na internet ou em locais de vendas esportivas”, considerou a especialista em Educação Física.

Projeto Vascor atua no combate às doenças cardiovasculares

O projeto Vascor é fruto de uma parceria entre o Centro Integrado de Ensino em Saúde (CIES) da UniFTC, o Instituto Gonçalves Moniz (Fiocruz-BA) e a Universidade do Minho (Portugal). O Vascor/UniFTC foi criado em 2016 para estudar e investigar a comunidade em relação ao risco precoce de adoecer do coração e das artérias.

A pesquisa Vascor tem base populacional e é realizada na comunidade carente do Vale do Ogunjá, situada em Salvador. São realizadas coletas de informações, investigações e observações, como também o exame Velocidade da Onda de Pulso – VOP, que é um estudo sofisticado para identificar quando o vaso está envelhecido. De maneira mais específica, a pesquisa investiga casos de obesidade visceral (acúmulo de gordura na barriga), inflamação crônica e rigidez arterial. Tudo feito dentro da clínica do Ogunjá.

“No ano passado, realizamos diagnósticos em pessoas que estavam em casa,sem sentir nada e sem saber que precisavam de atendimento. Pacientes com problemas de hipotiresoidismo, hipertensão, obesidade sem orientação adequada, dentre outros.”

De acordo com a coordenadora do projeto Vascor, Lucélia Magalhães, os dados coletados são divulgados em revistas internacionais, ajudando na compreensão do envelhecimento vascular precoce e os fatores de risco cardiovasculares em pessoas que estão bem em domicílio. “É uma forma de conscientização populacional e produção científica sobre as doenças”, concluiu.

Em breve, o projeto começará uma nova fase da pesquisa, com a seleção de novos voluntários.