Home Sem categoria Médico explica como baixos níveis de testosterona estão associados ao risco de...

Médico explica como baixos níveis de testosterona estão associados ao risco de demência e diabetes

298
0
Dr. Luis Henrique Nunes, médico urologista

A testosterona é o principal hormônio do homem, diretamente relacionado com a fertilidade, que passa por um processo de diminuição com o passar dos anos. Conhecida como hipogonadismo ou andropausa, essa condição afeta aproximadamente 40% dos homens de 45 anos ou mais, segundo um estudo realizado nos Estados Unidos, em 2020.

De acordo com o Dr. Luis Henrique Nunes, médico urologista, referência em implantes hormonais, quando os níveis de testosterona estão baixos, estão associados à alteração de humor, perda de libido, disfunção erétil, aumento de massa gorda, redução de massa muscular e osteoporose. A fisiologia para essas alterações dos níveis de testosterona se baseia em, quanto menor o nível de testosterona, maior a ativação de uma enzima chamada lipase lipoproteica.

“O crescimento desta enzima aumenta o nível da triglicéride e, também, a massa gorda. Com o aumento da massa gorda, amplia a resistência insulínica, um dos principais fatores para o início da diabetes. O aumento da massa gorda também vai expandir o número de citocinas pró-inflamatórias, que são responsáveis por aumentar a chance de demência nos pacientes idosos, o risco maior de tumoração, câncer e o envelhecimento precoce”, explica o médico.

Com base em outro estudo também realizado nos Estados Unidos, em 2006, para cada aumento de 10 anos na idade, o risco de hipogonadismo de um paciente aumentou em 17%.

Ainda de acordo com o médico, homens que têm testosterona nos níveis mais baixos do valor de referência ou até abaixo desse valor, têm quatro vezes mais chance de risco de diabetes. O que pode acontecer com homens mais jovens, uma vez que 5% dos homens entre 20 e 29 anos podem apresentar deficiência de testosterona. Já em homens que apresentam níveis de testosterona inferiores também aumenta o risco de demência nas idades mais avançadas. Assim, quando a testosterona atinge a quantidade abaixo do recomendado, o urologista poderá receitar a reposição do hormônio para melhora do quadro.

“Pacientes que têm diabetes tipo II e apresentavam também níveis de testosterona baixos, quando eram tratados para a diabetes relacionadas à reposição do hormônio testosterona, apresentaram melhora dos parâmetros glicêmicos, melhora na redução da necessidade de insulina e redução na resistência insulínica. Então é importante salientar que a reposição de testosterona nos homens que têm níveis baixos desses hormônios é importante não só na prevenção da libido, mas também nas funções do organismo como um todo”, destaca o Dr. Luis Henrique Nunes, médico urologista.

  • Agência ECOAR
  • Comunicação e Consultoria
  • Contato: (74) 999565326 – WhatsApp

Previous articleAs emocionantes homenagens dos famosos para a atriz Claudia Jimenez
Next articleCardiologista diz que causa da morte de Claudia Jimenez é a que mais provoca internações no mundo