Home Sem categoria Isolamento aumenta e mais de 3 mil locais são fiscalizados na...

Isolamento aumenta e mais de 3 mil locais são fiscalizados na Operação Quarentena em PE

51
0

Medidas sanitárias mais restritivas decretadas pelo Governo de Pernambuco entraram em vigor na quinta-feira (18/03) e prosseguem até 28/03 em todo o Estado. Nas primeiras 24 horas de operação, 8 pessoas tiveram que ser conduzidas a uma delegacia de Polícia Civil por resistirem a cumprir as determinações no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus

As forças de segurança pública de Pernambuco terminaram o primeiro dia da Operação Quarentena com 3.074 estabelecimentos fiscalizados e 2.241 pessoas orientadas a cumprir as medidas sanitárias mais restritivas contra a Covid-19 no Estado. Nas 24 horas de ontem (quinta-feira, 18/03), o desaquecimento de atividades sociais e econômicas permitiu um aumento de 9% no isolamento social no Estado. As restrições continuam até 28/03.

Com o intuito de orientar a população, 4.990 policiais e bombeiros militares estão nas ruas para fazer cumprir o Decreto Estadual Nº 50.433, de 15 de março de 2021. Os cidadãos que insistirem em burlar as normas sanitárias estão sujeitos à condução a uma delegacia de Polícia Civil. Foi o que aconteceu com oito pessoas na última quinta-feira, nos municípios de Ouricuri (dois casos), Betânia, Flores e Itacuruba, no Sertão, além de dois casos na Região Metropolitana (Olinda e Jaboatão) e um na Zona da Mata (Itambé). Em todos os casos, houve autuação pelo artigo 268 do Código Penal. As denúncias devem ser feitas pelo telefone 190, que funciona 24 horas.

O secretário de Defesa Social de Pernambuco, Antonio de Pádua, reforça a necessidade de adesão da sociedade aos esforços para reduzir a velocidade de contágio pelo novo coronavírus. “No primeiro dia da Operação Quarentena, observamos um aumento médio de 9% no isolamento social em Pernambuco. Esse resultado inicial demonstra engajamento da população, mas é preciso ampliar o distanciamento social nos próximos dias, o que não depende apenas das forças de segurança. Esse pacto entre o poder público e a sociedade é fundamental”, salienta.