Governador Paulo Câmara (PSB) apresentou necessidade de abertura de novos leitos de UTI em Pernambuco e compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs)

 Heudes Regis/ SEI

Os governadores do Nordeste tiveram a primeira reunião, por videoconferência, nesta segunda-feira (20), com o novo ministro da Saúde, Nelson Teich. Os chefes do Executivo, que compõe o Consórcio Nordeste encaminharam uma série de demandas ao titular da pasta de Saúde, que serão respondidas na próxima quinta-feira (23), em uma nova reunião virtual. Os governadores, já havia encaminhado um ofício ao novo Teich, apresentando algumas propostas como a contratação temporária de médicos brasileiros formados no exterior, para o enfrentamento da pandemia causada pelo novo coronavírus (covid-19).

Presidente do Consórcio Nordeste, o governador da Bahia Rui Costa (PT) afirmou que o encontro foi produtivo e agradeceu a disposição do ministro em ouvir os gestores de acordo com as demandas de cada estado. “Ao final, foi feito um balanço sobre tudo que nós apresentamos, e na próxima quinta-feira haverá uma nova reunião com as respostas do ministro. Nós falamos sobre a questão da habilitação das unidades abertas, como as UPAS, hospitais e falamos da questão importante dos testes”, explica Costa.

Ainda segundo o governador da Bahia, o ministro se dispôs a cada dois ou três dias, tratar das estratégias comuns da pasta em conjunto com os chefes do Executivos. “Nós informados que para fazer uma estratégia de saída, é preciso que a gente monte logo mais leitos, receba mais respiradores e a gente esteja preparado para atender as pessoas. Queremos e precisamos mais cedo ou mais tarde flexibilizar (o isolamento social), mas precisamos estar preparados”, afirma o presidente do Consórcio Nordeste.

O governador Paulo Câmara (PSB) apontou para o ministro a necessidade da abertura de novos leitos de UTI, compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como máscaras e aventais, para os profissionais de saúde e testes para detectar pessoas infectadas pela doença.

“Temos feito um esforço enorme para ampliar nossa rede de atendimento, mas há uma dificuldade grande em encontrar no mercado respiradores, máscaras, aventais, entre outros itens básicos para equipar nossos hospitais”, disse Paulo.

O governador disse esperar “definições rápidas” da nova gestão do ministério, “com menos turbulências e mais ação em favor da população”, completou o gestor pernambucano.

Em coletiva realizada nesta segunda-feira (20), o secretário estadual de Saúde, Andre Longo, informou que das 300 vagas de UTIs do Sistema Único de Saúde (SUS) destinadas a casos suspeitos e confirmados de covid-19 em Pernambuco e reguladas pelo Estado, 99% estão ocupadas. Os dados são da Central Estadual de Regulação Hospitalar do Estado, segundo informa a coluna Saúde e Bem-Estar.

Os leitos de UTI e enfermaria também são ocupados por pacientes que estão com suspeita da doença. Por isso, a taxa de ocupação das UTIs chega a esse percentual.Ainda nesta segunda-feira, também foram confirmadas laboratorialmente 18 novas mortes. Com isso, o Estado totaliza 234 mortes pela covid-19. Além disso, o boletim aponta um total de 100 pacientes já recuperados da doença.

Integração com o governo federal

O governador do Piauí Wellington Dias (PT), reforçou a integração entre todos os níveis de governo e defendeu o isolamento social, como principal medida para evitar a rápida disseminação do vírus.

“Todos queremos sair rapidamente dessa crise e por isso temos que ter um plano estratégico. A vacina é a forma mas eficaz, porém ainda vai demorar para ser lançada. É necessário também maturar a utilização de um medicamento para todos os casos. Precisamos do isolamento social, por que que é a forma que tem demonstrado mais eficiente no momento”, pontuou Dias.

O gestor também cobrou de Nelson Teich para que reforce com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a necessidade de ajudar os estados. “Para sair mais cedo, precisamos ampliar a capacidade de atendimento. Somos um Sistema Único de Saúde. Queremos alcançar próximo de 600 leitos, entre UTIs e leitos clínicos, juntando público e privado” pontou o gestor piauiense em relação à situação do estado.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) solicitou a entrega de 40 leitos prometidos pelo governo federal ao estado, além da habilitação dos novos leitos ao Sistema Único de Saúde, garantindo o custeio permanente, e o transporte de respiradores. “São ações importantes para nós neste momento de aguda crise sanitária que estamos vivendo em todo o país e no mundo”, afirmou o gestor.

Dino reforçou o pedido feito pelos governadores nordestinos na última sexta-feira (16) para a contratação temporária de médicos brasileiros formados no exterior para garantir reforço e melhor distribuição de profissionais de saúde no País. “São centenas de pessoas que estão preocupadas consigo e com suas famílias que procuram os serviços de saúde. Ter profissionais que auxiliem nesse processo de triagem seria um grande avanço na preservação de vidas”, afirmou Flávio Dino.

O governador da Paraíba, João Azevedo (PSB), salientou que os agentes públicos precisam estar unidos no enfrentamento ao coronavírus. “A união dos Estados, municípios e governo federal é a única forma de sairmos dessa situação. Não há outra forma de enfrentarmos essa questão porque o nosso interesse maior é defender a população”, pontuou.

Em resposta aos governadores, Nelson Teich afirmou que é fundamental a interação com os estados e os secretários de saúde. “Vamos traçar uma linha de trabalho para ajudar o mais rápido possível”, disse o ministro. (JC)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui