Home Sem categoria É grave! Reservatórios do país se aproximam do nível mínimo necessário para...

É grave! Reservatórios do país se aproximam do nível mínimo necessário para geração de energia elétrica

274
0

Vários reservatórios brasileiros estão se aproximando de atingir o nível mínimo necessário para geração de energia elétrica. O nível de água dos principais reservatórios do país continua baixando e rápido. A situação é mais preocupante no conjunto de hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste, que concentra 70% de toda a água armazenada no Brasil.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico, o nível médio de água nesses reservatórios está hoje abaixo de 20%. Uma das mais importantes, que é a de Furnas, tem apenas 16%. Outros reservatórios estão com o nível de água ainda mais baixo: é o caso de Ilha Solteira, Nova Ponte, Marimbondo, Emborcação e Itumbiara.

Por medida de segurança, recomenda-se o desligamento das usinas onde a concentração de água nos reservatórios chegar a 10%. Abaixo desse percentual, a operação das turbinas fica comprometida e há o risco de suspensão repentina do fornecimento de energia.

Um estudo do ONS divulgado no mês passado faz previsões sobre a produção de energia até novembro. A quantidade de água nos rios entre setembro do ano passado até agosto deste ano foi a pior já registrada desde o início da série histórica, há 91 anos.

O relatório diz ainda que a situação mais preocupante é a da bacia do rio Paraná, que no final de julho tinha apenas 18% do nível de água nos reservatórios, o nível mais baixo desde o ano 2000.

Há uma semana, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, responsabilizou a falta de chuva pela crise energética. E pediu para a população economizar energia. No mesmo dia, a conta de luz sumiu.

Nesta quarta-feira (8), em uma audiência pública na Câmara dos Deputados, o ex-presidente da Petrobras, Luiz Pinguelli Rosa, criticou a lentidão do governo.

“A crítica que eu faço é que isso demorou, com os indícios de que não estava bem a hidrologia já desde o ano passado. As curvas mostram que a afluência de água já mostrava um declínio e seria prudente que medidas fossem tomadas com antecedência”, argumenta.

Para o diretor do Instituto Ilumina, que reúne estudiosos do setor elétrico, o governo tem responsabilidade na crise.

“O que nós não conseguimos foi colocar outros investimentos que preservassem os reservatórios. Os reservatórios se esvaziam também quando você não tem investimento. O que não é verdade é achar que isso é uma surpresa, que fomos pegos de surpresa, de jeito nenhum”, afirma Roberto Araújo.

Segundo o coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico da UFRJ, Nivalde José de Castro, o governo deveria ter acionado as termelétricas no final do ano passado, e há risco de cortes no fornecimento de energia nos horários de pico.

“Se o cenário for se degradando, ao nível dos reservatórios e nível de chuvas, possivelmente haverá necessidade de cortes, e nós ficamos ainda na dependência do programa de racionamento voluntário da indústria. E o programa para redução do consumo residencial, que também seria resposta à demanda, mas a população ainda não está esclarecida. Acho que isso é o que mereceria uma campanha de divulgação para evitar essa situação crítica que o cenário está nos colocando para os meses de outubro e novembro”, diz Castro.

O Ministério de Minas e Energia disse que o Operador Nacional do Sistema Elétrico está avaliando as condições de algumas usinas que já operam com nível dos reservatórios inferiores 10%. Afirmou também que tem flexibilizado regras para impedir o esvaziamento de hidrelétricas das regiões Sul e Sudeste, e que acionou termelétricas em outubro do ano passado.

JN Foto Agencia Brasil Usina Hidreletrica de Mauá

Previous articleApós atos golpistas, Bolsonaro agora diz que ataques ao STF ‘decorreram do calor do momento’
Next articleAmmpla de Petrolina discute modernização de trânsito junto à Federação Nacional das Autoescolas