*Carlos Laerte

Quando nesta segunda-feira, 16 de dezembro de 2019,  estivermos agradecendo a Deus o centésimo quinquagésimo quinto aniversário de nascimento de Antonio Maria Malan, essas mesmas graças e louvores também serão ouvidas com festa e flores nos distantes campos da região Centro – Oeste do Brasil. Se por aqui este italiano de São Paulo de Coni escreveu seu nome como o primeiro bispo de Petrolina, deixando para a posteridade uma obra fundamental nas áreas religiosa, educacional e de saúde, foi como padre Malan que ele ficou conhecido nos sertões indígenas de Mato Grosso. O primeiro inspetor da Missão Salesiana que fundou colégios em Cuiabá e Corumbá, as escolas agrícolas de Coxipó da Ponte e Palmeiras além das missões do Sagrado Coração do Rio Barreiro, da Imaculada no Rio das Garças e de São José no Sangradouro.

Em 1895, com as recém-chegadas Filhas de Maria Auxiliadora, assume os trabalhos à frente dos Salesianos junto aos índios Bororos, às margens do Rio São Lourenço na Colônia Teresa Cristina. Um projeto de educação que ensinava música, português, matemática, prática agrícola e ciências, além de promover a evangelização. Segundo a historiadora Maria Isabel Ribeiro Lenzi, esse projeto se tornaria conhecido em todo Brasil em 1908, quando da realização, no Rio de Janeiro, da Exposição Nacional que comemorou o Centenário da Abertura dos Portos às Nações Amigas. O padre Malan, depois de uma turnê por várias cidades do Sudeste, chega a então capital do país trazendo uma banda de música formada por crianças indígenas da Missão Salesiana Sagrado Coração do Rio Barreiro.

A banda, com 21 índios Bororos, tocou no Teatro João Caetano, na Câmara dos Deputados, no Senado e, diante do presidente Afonso Pena, no Palácio do Catete, então sede da Presidência da República. Interpretações impecáveis de temas clássicos, inclusive o Hino Nacional, chamaram a atenção para a causa indígena e figuraram nos principais jornais da imprensa à época.

Uma nota destoante porém espalhou muita tristeza e dor. Três dos músicos Bororós morreram ao longo da turnê após contraírem doenças nas cidades percorridas. O fato foi ironizado pelo cronista e jornalista, João do Rio, que em artigo publicado posteriormente no livro’Cinematógrafo, Crônicas Cariocas’, brinca chamando o visionário religioso de “padre inexoravelmente civilizador que conseguiu domesticar meia dúzia de guris bravios ensinando-os a tocar bombardão e flautim”. Mas, o salesiano que estudou no Oratório de Turim, concluiu os estudos secundários em Paris, recebeu o hábito religioso na Casa do Noviçado, em Marselha e chegou à América do Sul pelas mãos de Dom Bosco, tinha ainda muito chão pela frente e uma missão evangelizadora do tamanho dos seus sonhos.

Em 1914, depois que a Santa Sé criou a Prelazia do Registro do Araguaia, foi ordenado seu primeiro prelado com a dignidade de bispo titular. Depois disso, ele chega a Petrolina, em 15 de agosto de 1924, para fazer uma obra monumental em apenas sete anos. Construiu o Palácio Episcopal, os colégios Maria Auxiliadora e Dom Bosco, além de ter inaugurado o hospital de Nossa Senhora da Piedade, que hoje leva o seu nome e acionado a chave inaugurando a energia elétrica da cidade em 1927.

Entretanto, foi na edificação da Igreja Catedral do Sagrado Coração de Jesus Cristo Rei do Universo, majestoso “Poema de Pedra”, pelas mãos do poeta José Raulino Sampaio, que o religioso deixou mais vivo na memória da população o exemplo imortalizado na determinação e na fé. “Façamos a casa de Deus e tudo crescerá ao seu redor”, vaticinou. Depois de assistir à solenidade de inauguração do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, Dom Malan foi internado no Hospital do Brás, em São Paulo, com complicações respiratórias. Morreu de pneumonia em 28 de outubro de 1931, aos 67 anos. Seus restos mortais estão sepultados na Capela São José, atrás do altar-mor da igreja por ele concretizada.

Hoje, tanto a Catedral como a obra evangelizadora junto aos índios Bororos são símbolos, exemplos vivos da fé do visionário religioso de gestos calmos, passos tranquilos e olhar de avenidas.
*Carlos Laerte é poeta, jornalista e diretor da Clas Comunicação e Marketing

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui