No Dia Mundial de Combate ao Diabetes (14/11), oftalmologista do IOR orienta como pessoas diabéticas devem cuidar da saúde dos olhos

O Dia Mundial de Combate ao Diabetes, comemorado no próximo dia 14, é uma data importante para a saúde ocular. Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), a doença é uma das principais causas de cegueira em adultos jovens. A falta de controle dos níveis de glicemia e da pressão arterial, associados a outros fatores, podem levar pessoas diabéticas à cegueira. O alerta é da oftalmologista Adriana Valença, especialista em oftalmologia geral, catarata e glaucoma, no Instituto de Olhos do Recife (IOR). “Quem é diabético tem mais tendência a desenvolver patologias que podem causar perda parcial ou total da visão”, explica a médica.

As doenças oculares diabéticas podem afetar diversas estruturas do olho, incluindo a retina, a mácula, o cristalino e até o nervo óptico. Segundo a doutora Adriana, quem é diabético deve ir ao oftalmologista regularmente, porque a doença é uma das principais causas de perda visual evitável e irreversível.

Dentre os sintomas aos quais pessoas diabéticas devem ficar atentas estão a diminuição súbita da visão, vista embaçada e quaisquer alteração repentina. “Mesmo quem usa óculos de grau, não deve ser negligenciar mudanças na visão. Não se deve aguardar ou esperar o incômodo passar. O paciente deve procurar um hospital oftalmológico e fazer um check up completo com o seu médico de confiança”, orienta a oftalmologista.

RETINOPATIA DIABÉTICA – É uma doença dos vasos sanguíneos da retina, que se desenvolve em praticamente todos os pacientes com histórico de diabetes. Trata-se de uma patologia grave, que muitas vezes é assintomática. Seus primeiros sintomas são micro-aneurismas e hemorragias intra-retinianas. Com o avanço da doença, pode surgir edema na retina, neovasos e até descolamento da retina, que provocam uma perda acentuada da visão e mesmo cegueira.

“As lesões decorrentes da retinopatia diabética podem ser tratadas através da fotocoagulação com laser e uso de medicamentos intravítreos, que são drogas antiangiogênicas capazes de inibir a formação de vasos anormais”, explica a doutora Adriana. As injeções intraoculares cuidam, principalmente, do edema macular diabético.

Algumas precauções previnem o aparecimento da doença. Realizar exame oftalmológico anual é uma delas, especialmente se for feito o mapeamento da retina ou fundoscopia (análise do fundo de olho). Quanto aos procedimentos cirúrgicos, o laser de argônio trata o edema de retina e áreas de isquerias, prevenindo a progressão da doença. “Em casos mais avançados, como hemorragias no vítreo e descolamento de retina, a indicação é a vitrectomia” comenta a oftalmologista.

Serviço:

Dra. Adriana Valença

Oftalmologia Geral, Catarata e Glaucoma

Instituto de Olhos do Recife

(81) 2122.5000

www.ior.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui