Home Sem categoria O que ficou mais caro no Brasil? Cenoura, café, gasolina e até...

O que ficou mais caro no Brasil? Cenoura, café, gasolina e até cueca

496
0

Por que tá tudo caro?

A vida no Brasil está cada dia mais cara e os cidadãos já não sabem mais o que fazer para manter o consumo mensal. Itens como a cenoura, o tomate, o café, a gasolina, o gás de cozinha e outros subiram imensamente em apenas 1 ano. Nesta sexta-feira foi divulgado o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15). O relatório do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela o que ficou mais caro no Brasil em 12 meses.

Veja também: BC indica que gasolina pode ficar mais cara nos próximos meses

De acordo com os dados do IPCA-15, a inflação de março foi a maior registrada desde 2015, acumulando 0,95%. Desde março de 2021, a inflação total do país atingiu a marca de 10,79%. Para se ter uma ideia, a cenoura subiu 120%, o café 60%, o diesel 38,27% e a gasolina 27,88%. Tudo isso aconteceu no período de março a março, ou seja, em apenas 12 meses.

49 produtos: veja o que ficou mais caro no Brasil em 1 ano:

Posição – Produto – Aumento

1 – Cenoura – 121,64%;

2 – Tomate – 66,36%;

3 – Café moído – 62,36%;

4 – Melancia – 59,79%;

5 – Mamão – 50,16%;

6 – Repolho – 48,66%;

7 – Gás Veicular (GNV) – 43,13%;

8 – Mandioca – 42,90%;

9 – Açúcar refinado – 42,24%;

10 – Abobrinha – 41,35%;

11 – Óleo Diesel – 38,27%;

12 – Melão – 38,10%;

13 – Transporte por app – 37,85%;

14 – Alface – 37,59%;

15 – Açúcar Cristal – 35,05%;

16 – Laranja-baía – 33,38%;

17 – Fubá de milho – 31,21%;

18 – Gás encanado – 31,03%;

19 – Energia elétrica – 28,32%;

20 – Gasolina – 27,68%

21 – Revista – 27,17%;

22 – Pepino – 26,54%;

23 – Pneu – 26,18%;

24 – Goiaba – 25,86%;

25 – Gás de cozinha – 25,59%;

26 – Refrigerador – 25,55%;

27 – Etanol – 24,27%;

28 – Couve – 24,17%/

29 – Tinta – 23,87%;

30 – Móvel para cozinha – 23,62%;

31 – Frango em pedaço – 23,55%;

32 – Peixe-cavala – 23,07%;

33 – Cueca – 22,92%;

34 – Alimento para animais – 22,44%;

35 – Material hidráulico – 21,53%;

36 – Fogão – 21,24%;

37 – Óleo lubrificante – 20,61%;

38 – Móvel para quarto – 20,32%;

39 – Batata-inglesa – 19,89%;

40 – Brócolis – 19,76%;

41 – Pacote Turístico – 19,65%;

42 – Margarina – 19,44%;

43 – Sabonete – 19,44%;

44 – Esponja de limpeza – 19,08%;

45 – Móvel para sala – 18,76%;

46 – Requeijão – 18,20%;

47 – Milho em grão – 17,90%;

48 – Automóvel novo – 17,88%;

49 – Camisa/camiseta masculina – 17,61%.

Previous articlePoliclínica Municipal de Petrolina é referência em reintrodução alimentar de pacientes com Autismo
Next articlePerda de peso: saiba quais são as 10 estratégicas para alcançar seu objetivo