Home Sem categoria Deputada Dulci Amorim defende Bolsa Família e ressalta a importância do programa...

Deputada Dulci Amorim defende Bolsa Família e ressalta a importância do programa para a economia de Petrolina

56
0

De acordo com a parlamentar, além do sustento básico dos beneficiados, o valor injetado movimenta a economia da cidade.

Deputada Dulce Amorim

Nesta semana um dos assuntos mais comentados na imprensa sertaneja é o programa Bolsa Família. Sem entrar no mérito das opiniões conflitantes, a deputada estadual Dulci Amorim (PT) se manifestou publicamente para defender e reconhecer os avanços do programa.

“Como deputada estadual de Pernambuco, como mãe, como mulher, como professora da rede pública, como menina que cresceu na área de sequeiro no Semiárido nordestino, não posso deixar de salientar e defender esse importante programa de transferência de renda”, justificou a parlamentar.

Desde 2004, o país começou a garantir esse socorro às famílias em vulnerabilidade social, exigindo como contrapartida, por exemplo, a permanência das crianças na escola e o calendário de vacinação desses menores de idade em dia. Segundo levantamento feito pelo blog Preto no Branco, o município de Petrolina, até dezembro de 2020, contava com 66.541 famílias cadastradas no Bolsa Família. Dessas, 33.218 famílias beneficiárias, até este mês de fevereiro de 2021.

“Isso significa que o Governo Federal transfere para Petrolina R$ 6.186.610,00 mensalmente através do programa. Dinheiro que garante alimentação para essas famílias e que movimenta a economia do município”, destacou Dulci.

A deputada ainda pontuou que o atual momento do país torna ainda mais importante a manutenção do programa. “Estamos vivendo um período sombrio, agravado pela falta de políticas públicas voltadas para o social e ainda pela crise de saúde e da economia. Por isso, além de defender o Bolsa Família, nossa luta é por garantir outras formas de auxílio para cada família que hoje peregrina nas ruas, nas casas e nos comércios de Petrolina pedindo a ajuda que deveria ser garantida pelo poder público”, finalizou Dulci Amorim. (Ascom)