Home Sem categoria Comportamento alimentar foi tema de roda de conversa na UniFTC de Petrolina

Comportamento alimentar foi tema de roda de conversa na UniFTC de Petrolina

267
0

O evento abordou a relação da alimentação com fatores emocionais, comportamentais e psicossociais

WhatsApp Image 2021-10-27 at 16.23.34.jpeg

Numa ação interprofissional e visando trabalhar de forma humanizada e integrativa, os Colegiados de Psicologia e Nutrição das Faculdades UniFTC de Petrolina e Juazeiro, promoveram uma roda de conversa sobre ‘Comportamento Alimentar’, através de um debate sobre como o indivíduo se relaciona com a comida e seu corpo.

A proposta da ação foi sair do padrão tradicional de falar apenas da fisiologia na Nutrição, aspecto comum nas práticas de alguns atendimentos, e abordar questões comportamentais, psicossociais, emocionais, dentre outros fatores que influenciam no ato de comer.

O encontro reuniu estudantes das duas graduações, no auditório da UniFTC da cidade pernambucana. O diálogo entre os cursos contou com a participação da docente de Psicologia, Bianca Próspero e as estagiárias do curso, Aline Gomes e Ana Carolina Serafim, e da professora de Nutrição, Tuane de Carvalho.

A Nutrição atua nos comportamentos alimentares e a Psicologia é a ciência que descreve as mudanças de comportamento. A Nutrição Comportamental é o estudo que busca a solução para problemas ligados à alimentação, valorizando a conduta, atitudes e o modo de se comportar.

De acordo com Tuane, a alimentação envolve não apenas o ato de ingerir a comida e atender as necessidades nutricionais. “É uma relação social, de prazer, cultura, por isso, muitas vezes a adesão do paciente não é positiva e eficiente na terapia nutricional quando o especialista foca apenas no funcionamento do organismo. O nutricionista comportamental deve procurar compreender o que está por trás da sua forma de comer. Perceber quais gatilhos levam o paciente a ter o desequilíbrio alimentar”.

A professora aproveitou para falar do aumento da obesidade no país e no mundo. “Hoje é muito comum saber o que é uma alimentação saudável pelas redes sociais ou na internet, de uma forma geral. O acesso à informação está muito fácil e mesmo assim, notamos um crescimento da população com sobrepeso ou obesidade. Porque as pessoas têm conhecimento e não aplicam”, pontuou.

Na opinião do aluno do 7º período do curso de Nutrição, Rafael Xavier, o encontro foi excelente. “Um debate multidisciplinar é muito importante para entendermos a atuação das áreas no comportamento dos indivíduos. São explicações que vão orientar e dar embasamento a nossa vida acadêmica e a futura carreira profissional”, justificou.

O atendimento multidisciplinar é que traz resultados satisfatórios, afirma a psicóloga e professora da UniFTC de Petrolina, Bianca Próspero. “O acompanhamento psicológico é uma maneira eficaz de identificar as questões emocionais que possam estar afetando a alimentação do indivíduo. A Psicologia influencia de forma direta no comportamento alimentar, pois este assunto não perpassa apenas por questões fisiológicas ou puramente comportamentais, mas também psicológicas e sociais”, explicou.

Quem nunca ouviu falar daquelas pessoas ansiosas que acabam descontando na comida? perguntou a especialista. “Alguém que se sinta infeliz pode compulsivamente comer mais doces, já que o alimento produz endorfina, proporcionando prazer. O psicólogo ajuda a identificar quais fatores emocionais estão afetando a alimentação”, evidenciou Bianca.

Lunara Damasceno, estudante do 2º período de Psicologia, afirmou que a forma de se alimentar estimula a mente e o corpo. “Quando estou muito ansiosa, por exemplo, não consigo ingerir nada, já tem pessoas que comem sem controle. A pandemia trouxe também mais forte este descontrole alimentar e psicológico na vida das pessoas, por isso é tão essencial o equilíbrio, que deve ser orientado desde a infância. A palestra foi muito importante para nossa carreira profissional e para a vida pessoal”, elogiou.

As mediadoras da Roda de Conversa foram as coordenadoras dos cursos de Nutrição da UniFTC de Juazeiro, Sibery dos Anjos e de Psicologia da UniFTC de Petrolina, Jackeline Souza. (Ascom)

Previous articleFacape quer nominar auditório em homenagem ao Professor Nivaldo Ferreira dos Reis, falecido em abril
Next articlePor que alguns relacionamentos viram amizade?