Home Sem categoria Comerciários de Petrolina terão reajuste de 6,52% no piso salarial

Comerciários de Petrolina terão reajuste de 6,52% no piso salarial

233
0

Após muitas idas e vindas, o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio de Petrolina (Sintcope) definiu, junto aos representantes patronais, o índice de correção salarial e os pisos salariais dos comerciários e motoristas, com vigência 2021/2022. Os trabalhadores do comércio terão um reajuste de 6,52%, elevando o piso da categoria de R$ 1.100 para R$ 1.225. Já o piso para motoristas será de 1.554,00.

Segundo o Sintcope, a data-base dos comerciários é o mês de março. Como a CCT será homologada neste mês de agosto, os trabalhadores terão direito a pagamento retroativo, de março a julho. Cada empresa deverá definir o próprio cronograma de pagamento, no valor de R$ 75,00 a cada mês, contanto que os valores sejam pagos até o quinto dia útil de novembro (ou seja, não poderá ultrapassar a folha de pagamento de outubro). O Sindicato informou ainda que o registro e arquivamento do instrumento coletivo na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Pernambuco deve ocorrer ainda na primeira semana quinzena de agosto.

Ainda segundo o Sintcope, a definição dos valores e do índice é resultado do debate entre o órgão e o sindicato patronal. “A pauta da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) relativa a 2021/2022 havia sido entregue, em tempo hábil, pelo sindicato dos comerciários em janeiro de 2021, mas apenas em maio aconteceu a primeira rodada de negociações. Até o final de julho, três reuniões foram realizadas entre os representantes das entidades sindicais até a definição da CCT”, diz o órgão.

O sindicato patronal propôs um Regime Especial de Piso Salarial (REPIS), definido de acordo com o faturamento das empresas. Para aquelas que aderissem, o valor do piso, já negociado, seria de R$1.215,00; para quem não adotasse o REPIS, R$ 1.240,00. Como contrapartida, o Sintcope propôs a criação da Cobertura Social voltada aos trabalhadores do comércio de Petrolina. Pela proposta, o custeio do benefício ficaria a cargo do empregador, que arcaria, mensalmente, com o valor de R$ 20,00 por empregado beneficiado. Mas as negociações não avançaram e as duas propostas (REPIS e Cobertura Social) ficaram de fora da CCT 2021/2022, concluiu o Sintcope. (Ascom)

Previous article‘A ameaça a realização das eleições é uma conduta antidemocrática’, dispara Barroso
Next articleLATAM anuncia Petrolina como o seu novo destino em Pernambuco