Sem categoria

Home Sem categoria Page 296

Guia da vacinação: Tire todas as suas dúvidas

0

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o uso emergencial das vacinas Coronavac e Oxford/Astrazeneca

Guia da vacinação: Tire todas as suas dúvidas | Exame

A vacinação nacional contra a covid-19 começou na segunda-feira, 18, com a distribuição das doses da Coronavac para cada Estado. Após o recebimento, os governos de todos os Estados já iniciaram a vacinação que, nesta primeira etapa, é voltada somente para os grupos prioritários: profissionais de saúde da linha de frente no combate ao coronavírus, idosos que vivem em asilos e indígenas.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o uso emergencial das vacinas Coronavac e Oxford/Astrazeneca. As doses da vacina de Oxford, importadas da Índia, chegaram na sexta-feira ao País.

Logo após a aprovação da Anvisa, o Estado de São Paulo iniciou a imunização de profissionais da saúde. Na segunda-feira, 18, a campanha de vacinação começou oficialmente no complexo do Hospital das Clínicas, voltada exclusivamente para os profissionais da linha de frente.

Abaixo, perguntas e respostas sobre o assunto:

CAMPANHA

1. Quem já começou a vacinação no Brasil?

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, autorizou o início do Plano Nacional de Imunização na segunda-feira,18. No domingo, 17, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fez um evento que deu o pontapé inicial para a campanha e começou a aplicação de doses em profissionais de saúde na capital paulista. A campanha segue com a vacinação desse grupo no Hospital das Clínicas da capital e em hospitais de referência de outras cidades do interior. Na terça-feira, 19, todos os Estados já haviam começado a imunização.

2. Quem pode se vacinar? Já posso ir ao postinho?

Neste momento, somente os grupos considerados prioritários serão imunizados. A vacina ainda não está disponível amplamente, então não se dirija a nenhum posto de saúde.

3. Quais são os grupos prioritários?

Conforme o Ministério da Saúde, os primeiros a receber as vacinas são os profissionais de saúde da linha de frente do combate à covid-19, idosos com mais de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência; pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência, que vivem em residências inclusivas, e indígenas que vivem em terras indígenas. Quilombolas foram tirados da lista pelo ministério, mas o governo de São Paulo decidiu que eles também serão vacinados em São Paulo. As pessoas desses grupos vão receber a imunização nos locais onde vivem/trabalham, sob a coordenação de cada município. O número limitado de doses disponíveis no momento obrigou o ministério a priorizar indivíduos com mais risco. São cerca de 156,8 mil idosos que vivem em instituições de longa permanência e representam apenas 0,5% do total de idosos no País.

4. Quando os idosos que não vivem em asilos serão vacinados?

Ainda não foi definido. Isso vai depender da disponibilidade das doses de vacina. O governo de São Paulo tinha divulgado ainda no ano passado um cronograma com datas conforme a faixa etária. Havia uma previsão de que idosos com mais de 75 anos começariam a ser vacinados em 8 de fevereiro. Mas como há poucas doses da Coronavac no Brasil e elas estão sendo compartilhadas com todo o País por meio do Ministério da Saúde e ainda há um atraso na chegada de novos insumos, esse cronograma original foi alterado e novas datas ainda serão anunciadas pelo governo.

5. Todos os profissionais de saúde serão vacinados?

Ao longo da campanha de vacinação, sim. Mas neste primeiro momento serão apenas os que estão na linha de frente do combate à pandemia, as equipes que estiverem inicialmente envolvidas na vacinação dos grupos previstos para as 6 milhões de doses; os trabalhadores das instituições de longa permanência de idosos e de residências inclusivas. O critério para definir os grupos prioritários foi o grau de exposição à infecção e de maiores riscos para agravamento e óbito pela doença.

6. Quais trabalhadores estão incluídos nessa categoria?

Nesse grupo dos trabalhadores da saúde estão incluídos, além de médicos e enfermeiros, também nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, biólogos, biomédicos, farmacêuticos, odontólogos, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais da educação física, médicos veterinários e seus respectivos técnicos e auxiliares. Assim como os trabalhadores de apoio, como recepcionistas, seguranças, pessoal da limpeza, cozinheiros e auxiliares, motoristas de ambulâncias e outros que trabalham nos serviços de saúde, mas que não estão prestando serviços diretos de assistência à saúde das pessoas.

7. Estudantes dessas áreas também serão vacinados nessa primeira etapa?

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina será ofertada para acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde que estejam em estágio hospitalar, de atenção básica e clínica, assim como aos profissionais que atuam em cuidados domiciliares como os cuidadores de idosos e doulas/parteiras, bem como funcionários do sistema funerário que tenham contato com cadáveres potencialmente contaminados.

8. O governo de São Paulo criou um pré-cadastro para a vacinação. Devo preenchê-lo?

Neste momento, o pré-cadastro no site VacinaJá é voltado somente para o público alvo da 1.ª fase da vacinação, ou seja: profissionais de saúde e indígenas. O pré-cadastro não é um agendamento, mas é voltado para agilizar o atendimento nos locais de vacinação e evitar a formação de aglomerações. Quem não fizer o pré-cadastro, porém, também poderá se vacinar, mas terá de fazer o cadastro completo na unidade de vacinação.

9. Quais serão os locais de vacinação?

Cada Estado definirá os postos de vacinação. O governo de São Paulo divulgou no domingo, dia 17, a operação que começou oficialmente na segunda-feira, 18, com a imunização de trabalhadores de saúde de seis hospitais de referência no combate à covid-19: Hospitais das Clínicas da Capital e de Ribeirão Preto (USP), de Campinas (Unicamp), de Botucatu (Unesp), de Marília (Famema) e Hospital de Base de São José do Rio Preto (Funfarme). Ou seja, ainda não é hora de se dirigir a postos de vacinação em busca do imunizante ou até mesmo de informações complementares.

10. A vacina será gratuita?

Sim. Inicialmente, a vacina será aplicada apenas pelo Sistema Único de Saúde, de forma gratuita a toda população.

11. Há previsão de que se possa comprar a vacina na rede de clínicas particulares?

Ainda não há previsão de compra das vacinas aprovadas pelas clínicas particulares. A autorização da Anvisa para uso emergencial é restrita para a rede pública de saúde.

SEGURANÇA

12. Por que a vacinação é importante e todos devem se vacinar?

Quanto maior o número de pessoas vacinadas, mais rápido terminará a pandemia. Isso porque diminuirá a circulação do vírus e maior parte da população fica protegida. De acordo com a rede Todos pelas Vacinas, “para uma vacina ser eficaz no indivíduo e na comunidade, ela deve cobrir uma porção determinada da população. Essa quantidade de pessoas depende do tipo de vacina e do patógeno. Uma cobertura vacinal alta previne pessoas vulneráveis a infecções, como pacientes com o sistema imunológico debilitado, recémnascidos e idosos”. Esse fenômeno de proteção indireta é o que ficou conhecido como “imunidade de rebanho”.

13. As vacinas são seguras?

Sim. Todas as vacinas aprovadas até agora no Brasil contra o coronavírus passaram pelos testes de segurança e foram reconhecidas como seguras pela Anvisa. Os eventos adversos, em geral já apresentados em bula, são leves. Os mais comuns são dores no local da aplicação e às vezes febre baixa, além de fadiga e dor de cabeça. “Mesmo que existam casos relatados com evolução para alguma gravidade, a chance de isso ocorrer é pequena e o risco é totalmente compensado pelos benefícios obtidos com a vacina”, explica a rede Todos pelas Vacinas. O grupo também ressalta: vacinas não alteram DNA. Isso é impossível. “A gente pode ficar muito tranquilo. Nenhuma vacina vai fazer mal para ninguém, não vai transformar em jacaré. E o benefício que elas trazem para a sociedade supera absurdamente os riscos mínimos”, disse a microbiologista Natália Pasternak, da USP e do Instituto Questão de Ciência em live no Estadão.

14. Contrair a covid-19 dá uma proteção melhor do que tomar a vacina?

Não. A imunidade que o nosso corpo desenvolve após contrair a doença ainda não está clara e pode durar pouco tempo, como sugerem os casos de reinfecção que vêm sendo relatados. Além disso, o risco de morrer ao contrair a covid-19 é de cerca de 1% – taxa que aumenta consideravelmente com a idade e com a ocorrência de comorbidades (como diabetes, hipertensão e obesidade). E mesmo quem se recupera da doença pode apresentar ainda por vários meses sintomas, como fadiga, além de outras sequelas mais graves. Então não vale a pena. Melhor tomar a vacina.

15. Mesmo tendo tomado a vacina, eu ainda posso ter covid?

Com a vacina, a chance de infecção diminuiu, mas não 100%. O que os testes indicam, porém, é que mesmo se uma pessoa vacinada contrair a doença, os sintomas podem ser de leves a moderados, mas a chance de precisar de hospitalização cai muito.

16. Há um risco da vacina para pessoas mais velhas e doentes?

Os testes tanto com a vacina de Oxford quanto com a Coronavac tiveram poucos participantes idosos e ainda não foi possível concluir quanto elas são eficazes para eles, mas a segurança em geral foi similar. Recentemente, houve um alerta feito pelo governo da Noruega em relação à vacina da Pfizer. No último dia 14, a Agência Norueguesa de Medicamentos atualizou suas recomendações sobre quem deve receber a vacina após alguns idosos morrerem pouco tempo depois de serem vacinados. Mas não foi estabelecida uma relação causal entre as mortes e as vacinas. Desde o início da campanha de vacinação, no final de dezembro, 33 idosos que receberam a primeira dose morreram. Entre essas mortes, 13 foram analisadas de forma mais abrangente e se observou que eram “pessoas muito idosas, frágeis e gravemente doentes”, com mais de 80 anos. A diretora da autoridade de saúde norueguesa, Camilla Stoltenberg, lembrou que diariamente morrem 45 pessoas em lares de idosos no país e disse que não há evidências de que a vacina tenha causado os óbitos recentes.

IMUNIDADE

17. Quanto tempo após tomar a vacina a pessoa pode se considerar imunizada?

A imunidade depende de cada vacina. Um imunizante geralmente demora de duas a três semanas para fazer efeito. As duas vacinas (Coronavac e Oxford/AstraZeneca) disponíveis no Brasil precisam de duas doses para atingir a eficácia total. No caso da Coronavac, as vacinas devem ser aplicadas com intervalo de 28 dias. Já a vacina de Oxford pode ter espaço de 21 dias a 3 meses entre as aplicações.

18. Quantas pessoas precisam ser vacinadas para se alcançar a chamada “imunidade de rebanho”?

Considerando somente a Coronavac, a única vacina já sendo utilizada no Brasil, será preciso aplicá-la em praticamente toda sua população apta a recebê-la (99%) para alcançar a imunidade coletiva – e assim deter a circulação do novo coronavírus no País, segundo cálculo do microbiologista Luiz Gustavo de Almeida, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto Questão de Ciência. Segundo Almeida, seriam necessários dez meses para que todos recebessem a primeira dose. Ou seja, se tudo der certo, a vacinação, considerando que são necessárias duas doses para imunizar, só terá detido totalmente o vírus no 2.º semestre de 2022.

19. Se a imunidade de rebanho deve demorar ainda a chegar, quais são os resultados mais imediatos na pandemia que podemos esperar com a vacinação?

Para a microbiologista Natália Pasternak, da USP, quando o número de doses disponíveis for grande o bastante para realmente conseguir atingir os grupos de risco, o primeiro impacto que pode ser sentido é a queda de hospitalização e de mortes. Talvez mais do meio do ano para o fim tenhamos redução de casos.

20. À medida que a imunização ocorra, as restrições de circulação podem ser relaxadas?

Não. Os próprios técnicos da Anvisa ressaltaram na reunião pública em que aprovaram o uso emergencial de ambas as vacinas – a Coronavac e a produzida por Oxford -, no domingo passado, que o País ainda está longe de vislumbrar um cenário em que as medidas de restrição impostas com base na ciência deixem de ser necessárias. Por isso, ainda é fundamental manter o isolamento sempre que possível, o distanciamento e usar máscara e álcool em gel.

21.Depois de tomar a vacina, posso abraçar as pessoas normalmente?

Não. Os cuidados de distanciamento social continuam até que se alcance a imunidade de rebanho, ou seja, em que cerca de 60% a 70% da população esteja imunizada. Como as vacinas não têm 100% de eficácia, ainda existe a chance de se infectar, então é preciso continuar se precavendo.

VACINAS

22.Quais vacinas serão aplicadas no Brasil?

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou no domingo, 17, o uso emergencial de 6 milhões de doses da Coronavac, desenvolvida pelo laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e de 2 milhões de doses da vacina de Oxford, desenvolvida pela AstraZeneca, em parceria com a Fiocruz. Mas as doses do imunizante só chegaram ao Brasil na sexta-feira, e está sendo feita a distribuição pelos Estados. A Anvisa também aprovou o uso emergencial de 4,1 milhões de doses da Coronavac envasadas pelo Butantan.

23. Quantas doses da Coronavac estão disponíveis e quantas pessoas podem ser vacinadas com elas?

O lote inicial é de 6 milhões de doses da Coronavac, que começaram a ser distribuídas na segunda-feira. Esse lote será suficiente para a vacinação de só 0,5% dos idosos brasileiros e 34% dos profissionais de saúde do País. A inclusão, por exemplo, dos idosos de mais de 75 anos a esses grupos prioritários da primeira leva já aumenta a demanda para 54 milhões de doses.

24. Mais doses da Coronavac podem ser produzidas e distribuídas em breve?

O Instituto Butantan obteve a aprovação de mais 4,1 milhões de doses para uso emergencial. A decisão se estende às doses que ainda terão a produção finalizada nos próximos meses. Novas produções, porém, dependem da chegada de novas remessas do chamado Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), o princípio ativo da vacina, que é importado da China. E ainda não há previsão para a chegada de novas remessas. Por contrato, o governo do Estado deve receber da China, até abril, insumo para mais 46 milhões de doses da Coronavac. Segundo Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, até há a possibilidade de uma remessa extra de material para 54 milhões de doses, mas esse repasse está condicionado a um pedido de compra do Ministério da Saúde, que até agora não foi feito.

25. O que são esses insumos, o IFA?

O chamado Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) é o cerne das vacinas, o insumo principal de todo medicamento. A substância confere a atividade farmacológica à vacina ou a qualquer outro medicamento. No caso da Coronavac, é o próprio vírus inativado. No caso da vacina de Oxford, é um adenovírus modificado geneticamente para carregar com uma sequência genética do Sars-CoV-2. São eles que vão “enganar” o nosso corpo para produzir os anticorpos, que vão reagir se e quando o corpo for realmente contaminado. Os outros componentes presentes na vacina são chamados excipientes e, apesar de não serem responsáveis pela atividade farmacológica, são importantes para seu perfeito funcionamento até o final do prazo de validade.

26. Quem são os principais fornecedores da matéria-prima?

O Brasil é totalmente dependente da China e da Índia, especialmente, na fabricação de insumos. No Brasil, não há uma política governamental para incentivar a produção dos insumos farmacêuticos ativos.

27. Quais os acordos para a importação?

Os insumos devem ser enviados dentro do que foi acordado entre os governos e o Butantan e a Fiocruz. Os dois institutos têm tecnologia para transformar esse insumo em vacinas, mas sem a substância não poderão fazer nada.

28. Quais os impactos na vacinação da covid-19?

O Brasil depende da chegada do insumo para que sejam produzidas as vacinas de Oxford e Coronavac no País. Com a demora na entrega, a campanha de imunização também sofre com atrasos.

29. Por que o Brasil já não faz o insumo?

No caso das vacinas do Butantan e da Fiocruz, os IFAs são o vírus inativado e o adenovírus, respectivamente, que serão os responsáveis por gerar a resposta imunológica. A tecnologia de fabricação do IFA é das empresas estrangeiras e ainda não foi transferida para o Brasil. O Brasil teria condições de produzir esses insumos, pois tem tecnologia e pesquisadores aptos para isso, mas é necessário investimento. As empresas estrangeiras investiram pesado para ter uma vacina tão rapidamente.

30. Qual a capacidade de produção da Coronavac no Brasil?

O Instituto Butantan tem capacidade para fabricar um milhão de doses por dia, de acordo com presidente do órgão, Dimas Covas. Mas, para isso, ainda depende de insumos feitos pelo laboratório chinês Sinovac, que precisam ser importados. A instituição estima que ainda demore dez meses para ter capacidade de produzir a vacina sem depender de insumos importados. O Butantan está construindo uma nova fábrica que seria capaz de produzir todos os insumos necessários para a fabricação de uma vacina 100% nacional: as obras foram iniciadas em novembro e devem ficar prontas até 30 de setembro.

31. A vacina de Oxford já está sendo produzida no Brasil?

Ainda não. A Fiocruz será a responsável pela produção da vacina de Oxford-AstraZeneca, mas não recebeu nenhuma remessa do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), o princípio ativo da vacina, para a produção. O produto ainda tem de vir da China. Com o atraso na chegada desses insumos, a Fiocruz adiou de fevereiro para março a previsão de entrega das primeiras doses da vacina que serão produzidas no Brasil. A previsão da Fiocruz, quando estiver de posse do IFA, é fabricar 100 milhões de doses.

32. A taxa geral de eficácia da Coronavac se revelou de 50,38%. O que isso significa?

Essa taxa significa que a vacina reduz pela metade o risco de adoecer. Essa é a capacidade da vacina de evitar casos sintomáticos de um modo geral, independentemente da gravidade. Com ela, a pessoa vacinada tem 50,38% menos chance de desenvolver a doença.

33. Qual é a diferença desse número para o que foi anunciado anteriormente, de 78%?

Esse número foi obtido com um recorte do estudo, que considerou a ocorrência de casos leves de covid-19 que demandaram alguma intervenção médica ao paciente. Foram 31 casos assim no grupo que recebeu placebo e apenas sete no que foi vacinado. Ou seja, mesmo entre quem acabou ficando doente, a vacina reduziu em 78% a chance de a pessoa precisar de algum tipo de assistência médica.

34. A vacina de Oxford tem melhor eficácia?

As duas vacinas têm eficácia suficiente para ajudar no combate à pandemia. Nos testes, a vacina de Oxford foi administrada de duas formas diferentes: na primeira delas, os voluntários receberam metade de uma dose e, um mês depois, uma dose completa. Nesse grupo de voluntários, a eficácia foi de 90%. Já no segundo grupo, que recebeu duas doses completas da vacina, a eficácia foi reduzida a 62%. Esses dois resultados permitiram estimar que a eficácia média da vacina é de 70%.

35. É possível tomar as duas doses de vacinas diferentes? É possível escolher qual tipo de vacina tomar?

Não será possível escolher qual vacina tomar. Elas estão sendo distribuídas por Estado e a distribuição está a cargo do Programa Nacional de Imunizações. Não há essa opção de escolher. Por enquanto, somente a Coronavac está disponível.

CUIDADOS

36. Hábitos saudáveis podem proteger contra a covid-19 e substituir a vacina?

Não. A rede Todos pelas Vacinas explica: “Qualquer imunização é a provocação de uma resposta imune adaptativa (anticorpos e linfócitos de memória) através da inoculação de antígenos. Uma pessoa só está imune a uma doença se produzir anticorpos e linfócitos de memória. Hábitos saudáveis podem auxiliar na resposta imune eficaz, mas não imunizar”.

37. Grávidas podem tomar a vacina?

Segundo os especialistas, vai depender do caso. “Não há estudos que indiquem efeito prejudicial da aplicação das vacinas contra a covid-19 em grávidas. Porém, fique de olho: também não há, ainda, estudos que comprovem sua segurança neste grupo”, aponta a rede Todos pelas Vacinas. Os estudos clínicos dos imunizantes aprovados para uso emergencial no Brasil não incluíram mulheres grávidas entre os voluntários. Caso pertença a algum grupo de risco – seja ela obesa, hipertensa ou diabética -, a mulher deve ser informada de que se trata de uma vacina nova, ainda não testada para o caso dela. Mas, mesmo assim, ser infectada pela covid-19 representa um risco maior que o de ser vacinada. A recomendação é de que as gestantes conversem com seus obstetras antes de tomar uma decisão. A Sociedade Brasileira de Infectologia chegou a fazer uma recomendação de que a Coronavac é segura para grávidas no terceiro trimestre. Mas isso não está em bula, nem está na recomendação do PNI.

38. Quem está com febre pode tomar a vacina? E quem está tomando antibiótico?

As pessoas com febre devem aguardar para receber a vacina. Quem está tomando antibiótico deve conversar com o seu médico antes.

39. Uma pessoa infectada, mas que ainda não sabe o diagnóstico, pode tomar a vacina? E quem já foi infectado?

Pode. E quem já foi infectado deve sim tomar a vacina. Porque a imunidade natural ao vírus não é constante na população e não é mensurável. Algumas pessoas que tiverem uma forma leve da doença às vezes nem produzem muitos anticorpos, enquanto gente que teve uma forma mais grave pode ter uma resposta mais robusta. Quando se dá a vacina para a população como um todo, essa resposta fica padronizada e é mais garantido que de fato todo mundo está imunizado. .

40. A Coronavac pode ser tomada com outras vacinas?

O Ministério da Saúde recomendou um intervalo mínimo de 14 dias entre as vacinas covid-19 e as diferentes vacinas do Calendário Nacional de Vacinação, visto que não foram feitos estudos de administração simultânea das vacinas.

41. Crianças e adolescente também serão vacinados?

Por enquanto não. Além de ainda não terem sido feitos testes clínicos das vacinas com menores de 18 anos, o risco para essa faixa etária é considerado menor.

FUTURO

42. Quando a população em geral vai começar a ser vacinada?

Ainda não se sabe. Isso vai depender da disponibilidade de mais vacinas. Anteriormente, o Ministério da Saúde tinha informado que o cronograma seguiria a seguinte ordem: idosos a partir de 75 anos; pessoas de 60 a 74 anos; pessoas com comorbidades (doenças que aumentam o risco de agravamento da covid-19, como diabetes, hipertensão, doenças pulmonares e cardiovasculares; professores, forças de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional.

43. Se poucas pessoas forem vacinadas e o intervalo para voltar a vacinar for muito grande, essa imunidade pode se perder? Ou pode não servir pra nada?

Ainda não se sabe.

44. A imunidade da vacina é duradoura?

Ainda não se sabe. Essa resposta só será obtida com o passar do tempo, depois que muitas pessoas estiverem vacinadas. Há o risco de que novas variantes do vírus possam acabar “driblando” a vacina e muitos especialistas estimam que, com o tempo, seja necessário atualizar a vacina e reaplicá-la, como ocorre com as vacinas da gripe.

45. Para as variantes que já surgiram do coronavírus, as vacinas disponíveis ainda são capazes de nos proteger?

Mutações em vírus são esperadas e ocorrem com mais rapidez quando o vírus está se replicando muito, como ocorre em uma situação de pandemia. De vez em quando, podem ocorrer mutações que tornem o vírus mais transmissível, mais virulento ou mais agressivo. “Em geral as mutações não fazem grande diferença, mas se ela trouxer uma vantagem para o vírus, como ser mais transmissível, ao competir com as linhagens anteriores, ele ganha a briga. Se ele consegue se transmitir com mais eficiência, logo pode se tornar a linhagem prevalente”, explica Natália Pasternak. “Até agora, a notícia é boa. A Pfizer testou sua vacina com os mutantes do Reino Unido e da África do Sul e funcionou perfeitamente. Até agora, as mutações que apareceram não tornam o vírus tão diferente a ponto de não ser mais reconhecido pela vacina. Mas tem de ficar de olho, porque se aparecer uma muito diferente, vamos precisar adaptar as vacinas”, afirma. Vacinas que usam o vírus inativado, como a Coronavac, têm a vantagem de, por usar o vírus inteiro, terem também mais alvos para a vacina, de modo que esse tipo de mutação não deve ser um problema.

Fontes: Ministério da Saúde; Governo de São Paulo; Rede Todos pelas Vacinas; Natália Pasternak, microbiologista da USP e presidente do Instituto Questão de Ciência; Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm); Luiz Gustavo de Almeida, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto Questão de Ciência; Eliana Bicudo, consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI/DF); Rosimeire Alves, doutora em Química Orgânica pela Universidade de Brasília (UnB); Ubiracir F. Lima, membro da Comissão Química Farmacêutica do Conselho Regional de Química/SP; e Gerson Pianetti, professor titular na Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e conselheiro do Conselho Federal de Farmácia (CFF).

Pernambuco recebe 84 mil doses da vacina AstraZeneca/Oxford

0


As primeiras doses da vacina da farmacêutica AstraZeneca e da Universidade de Oxford, desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e produzidas pelo Instituto Serum, na Índia, já chegaram em Pernambuco na madrugada desse domingo (24/01).

As doses foram levadas para a central de armazenamento de vacinas da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE).

O secretário estadual de Saúde, André Longo, já convocou reuniões extraordinárias do Comitê Técnico Estadual para Acompanhamento da Vacinação contra a Covid-19 e da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), na tarde da segunda-feira (25/01), para acordar a estratégia de distribuição e de uso das doses da nova vacina. Após as definições nos espaços de pactuação, as doses serão encaminhadas para as cidades pernambucanas, para que sejam aplicadas na população.

“Esta nova remessa de vacinas nos dá a possibilidade de ampliar e acelerar o processo de imunização em Pernambuco. Ainda aguardamos informe técnico do Ministério da Saúde, bem como a bula da nova vacina. Além disso, iremos pactuar com o Comitê Técnico Estadual e com a representação dos municípios a estratégia para utilização destas novas doses”, explicou André Longo.
O secretário estadual de Saúde ressaltou que a vacinação segue normalmente no Estado. “Os municípios e as unidades estaduais continuam o processo de vacinação normalmente, já que ainda possuem doses da vacina Coronavac”, afirmou.

As 270 mil doses da CoronaVac, desenvolvidas em parceria com o Instituto Butantan, chegaram ao Estado na última segunda-feira e foram disponibilizadas em 18 horas a todos os 184 municípios pernambucanos, além do Arquipélago de Fernando de Noronha.

As gestões municipais receberam de forma equânime quantitativo suficiente para as duas doses da vacina, que, no caso da CoronaVac, devem ser administradas em um período de 14 a 28 dias entre a primeira e a segunda. O Ministério da Saúde estabeleceu que a prioridade dessa remessa da CoronaVac deveria ser os idosos acima de 60 anos e pessoas com deficiência assistidos em instituições de longa permanência, indígenas aldeados e trabalhadores da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes com o novo coronavírus.

Até a última sexta-feira (22/01), 34.336 pessoas que fazem parte do público prioritário da primeira fase foram imunizadas contra a Covid-19 em Pernambuco. Deste total, 28.712 eram trabalhadores da saúde (sendo 5.298 profissionais que atuam nos hospitais do Governo de Pernambuco); 3.265, indígenas; 2.278, idosos institucionalizados; e 81 pertencem ao grupo de pessoas com deficiência institucionalizadas.

Diário de Pernambuco

TCE: Municípios precisam informar estoques de oxigênio

0

Crise da falta de Oxigênio em Manaus foi anunciada em novembro

Todos os 184 municípios de Pernambuco deverão informar ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) os estoques de oxigênio nos hospitais. A determinação foi feita hoje, dois dias depois que o órgão pediu à prefeitura do Recife as mesmas informações. A medida foi adotada devido ao colapso do sistema de saúde de Manaus (AM), que teve falta do insumo nas unidades de saúde.

A determinação foi feita pelo conselheiro Carlos Porto. A solicitação começou a ser feita pelos municípios do Grande Recife, Goiana, na Zona da Mata, e Petrolina, no Sertão. Até o fim de janeiro, as outras cidades deverão receber o pedido de informação.

No sábado (16), o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) notificou os diretores técnicos e diretores clínicos de unidades de saúde públicas e privadas, para que informem diariamente o estoque de oxigênio medicinal.

Os gestores terão quatro dias para responder ao TCE sobre os estoques de cilindros e concentradores de oxigênio, bem como a situação dos contratos com empresas que fornecem e armazenam o insumo.

Também devem ser demonstradas as ações sendo feitas para evitar que aconteçam problemas semelhantes aos enfrentados no Amazonas. Essas cidades também precisam informar ao tribunal os dados dos hospitais e unidades públicas municipais que utilizam oxigênio.

A falta de justificativa de resposta e a sonegação de documento ou informação podem gerar sanções aos responsáveis, segundo o TCE. As informações deverão ser enviadas por meio do protocolo eletrônico do tribunal.(Blog de Magno Martins)

Professor da Univasf é nomeado membro efetivo da Academia Pernambucana de Ciências

0

A Academia Pernambucana de Ciências (APC) é uma instituição que congrega personalidades de destaque nas mais diversas áreas da Ciência, visando contribuir com o desenvolvimento do estado de Pernambuco e do país por meio do conhecimento científico.

A entidade possui 100 cadeiras para membros efetivos, ocupadas por docentes e pesquisadores de diferentes instituições de ensino e pesquisa do estado. Entre elas, está agora a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), que se destaca como a primeira universidade com sede no interior de Pernambuco a possuir um representante na Academia.

A Univasf será representada pelo professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência dos Materiais (PPGCM) Helinando Pequeno de Oliveira, anunciado pela Academia como cientista que irá ocupar a 19º cadeira da instituição, como membro titular.

A seleção de novos membros da APC é realizada por um conselho científico, composto por sete professores, e é feita com base em um barema, que pontua as atividades realizadas pelos candidatos. O presidente da Academia José Aleixo da Silva explica que o professor da Univasf foi selecionado entre uma série de nomes que foram submetidos para a ACP e destaca a importância de ter um representante do interior de Pernambuco no grupo. ­“O professor Helinando possui um currículo fantástico e, para a Academia Pernambucana de Ciências, é uma honra muito grande tê-lo como membro permanente, principalmente por termos alguém do interior do estado participando, bem como um professor representante da Univasf”, diz.

Helinando Pequeno de Oliveira é formado em Engenharia Elétrica, mestre e doutor em Física, e possui pós-doutorado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Estados Unidos. Professor do Colegiado de Engenharia Elétrica da Univasf desde 2004, ele participou da equipe de fundadores da primeira pós-graduação da Universidade, o PPGCM, e foi o primeiro coordenador do Programa. Oliveira foi também diretor de pesquisa da Universidade e Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação. Com uma pesquisa que desenvolveu um tecido de nanofibras utilizável em curativos, o docente foi responsável pela conquista da primeira carta patente da Univasf, e possui, ainda, 13 pedidos de patentes nacionais em andamento. Além disso, Oliveira é bolsista de produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) e mantém colaboração científica com pesquisadores de diferentes países, além de coordenar o grupo de pesquisa em Espectroscopia de Impedância e Materiais Orgânicos, no qual já orientou mais de 40 mestres e doutores.

O professor preencherá a vaga do fundador do departamento de física da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Ivon Fittipaldi, que faleceu no ano passado. Em homenagem à Ivon, o docente da Univasf o elegeu como patrono de sua cadeira. Como membro da APC, Oliveira deverá trabalhar para promover o desenvolvimento de todos os setores do conhecimento humano, visando também a prestação de serviços à sociedade. De acordo com ele, a nomeação para exercer essa função é de grande importância e representa o reconhecimento de um esforço em desenvolver pesquisa de qualidade. “É uma honra enorme receber esta indicação para uma cadeira da APC, primeiro por ter a oportunidade de compartilhar o espaço com os maiores pesquisadores pernambucanos e, segundo, por poder representar a Ciência feita no interior”, conclui o docente.

Ascom Univasf

Governo de PE diz que vai distribuir cerca de 500 toneladas de sementes no Sertão do Estado

0

Aquisição contou com um investimento de R$ 2,37 milhões e vai beneficiar cerca de 51 mil agricultores familiares da região

Governo distribui sementes para agricultores do Agreste e Zona da Mata | Economia: Diario de Pernambuco

O governador Paulo Câmara assinou, a autorização para o início da entrega das sementes do Programa Campo Novo aos agricultores do Sertão do Estado neste ano de 2021. Ao todo serão distribuídas cerca de 500 toneladas de sementes, sendo 361,2 toneladas de milho e pouco mais de 122,7 toneladas de sorgo forrageiro. A aquisição do produto contou com um investimento de R$ 2,37 milhões e vai beneficiar cerca de 51 mil agricultores familiares sertanejos.

“É muito importante autorizar o início dessa entrega aos homens e mulheres que trabalham no campo, na zona rural do nosso Sertão, neste período do ano, especificamente. Essa região merece nossa atenção porque também é responsável pela produção de insumos fundamentais para o desenvolvimento econômico de Pernambuco. Vamos continuar investindo e dando o suporte necessário para todos e todas que desenvolvem a atividade agrária em nosso Estado e que alimentam toda uma cadeia de suprimentos para a continuidade do trabalho realizado aqui, destaque no cenário nacional”, destacou Paulo Câmara.

A distribuição será iniciada pelo Sertão do Araripe, onde a estação chuvosa já está começando. Naquela região, os agricultores receberão cerca de 148 toneladas de sementes, entre milho e sorgo. As sementes distribuídas têm potencial para proporcionar uma colheita de aproximadamente 35 mil toneladas de milho e de 744 mil toneladas de forragem (sorgo forrageiro) para alimentação animal. A quantidade de massa verde colhida a partir do sorgo é suficiente para alimentar mais de 200 mil vacas em lactação, por um período de seis meses, reforçando a produção da bacia leiteira do Araripe.

Criado em 2019, o Programa Campo Novo tem como foco a entrega das sementes exatamente no início da quadra chuvosa, permitindo o plantio durante esse período no Semiárido do Estado. Logo após o Araripe, 88 toneladas de sementes serão distribuídas no Sertão do São Francisco. Na sequência, o Sertão de Itaparica receberá 39,2 toneladas; o Sertão Central terá 46,6 toneladas; o Sertão do Pajeú receberá 125,2 toneladas; e o Sertão do Moxotó contará com 36,5 toneladas, sempre englobando milho e sorgo.(Ascom)

Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena

0

Mega-Sena: confira o resultado do concurso 2334; prêmio é de R$ 12 milhões  | Invest | Exame

Um ganhador de Fortaleza foi o único a acertar os seis números da Mega-Sena sorteados neste sábado (23) e receberá 21.898.260,37.

Os números sorteados no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo. foram 02, 09, 34, 49, 51, 55.

O sorteio 2337 da Caixa também teve 84 apostas ganhadoras de cinco números, que receberão R$ 35.529,81 e 4.321 apostadores acertaram quatro números e ganharão R$ 986,71.

A estimativa de prêmio para o próximo concurso, na próxima quarta-feira (26), é de pagar R$ 2 milhões a quem acertar as seis unidades sorteadas.

As apostas na Mega-Sena podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio em lotéricas ou pela internet. A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 4,50.

UPAE/IMIP de Petrolina dá início à vacinação contra a Covid-19

0

As esperanças foram renovadas na Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (UPAE/IMIP) com o início da vacinação contra a Covid-19. As primeiras doses da CoronaVac chegaram e os profissionais da linha de frente já estão sendo imunizados.

A primeira profissional a tomar a vacina foi a técnica de enfermagem Gizelda Martins de Souza, que trabalha na Unidade desde o dia da sua inauguração em 2013. Gigi, como é conhecida por todos os colegas e amigos, tem 59 anos, mais de 30 de profissão, e possui comorbidades como diabetes e hipertensão.

Durante toda a pandemia a profissional nunca se afastou um só dia do serviço e se manteve firme no combate até esta data. “Sempre confiei muito em Deus. Fora isso, sempre utilizamos todos Equipamentos de Proteção Individual e seguimos à risca os protocolos de segurança. Expostos todos nós estamos, mas se tomarmos os cuidados necessários podemos nos proteger”, relatou confiante.

Proteção essa agora, inclusive, redobrada pela vacina. “É uma alegria muito grande poder ter essa oportunidade que muitos não chegaram a conquistar, por isso, me sinto privilegiada. Sem dúvida, é um dia muito feliz e histórico. Espero que essa chance chegue logo à toda população”, disse após a imunização, demonstrando o seu desejo de que esse capítulo da história mundial seja encerrado.

A vacinação na UPAE teve início pelos profissionais da linha de frente, ligados diretamente à Covid. A imunização segue o calendário estabelecido pelas autoridades sanitárias Federal, Estadual e Municipal, mas a meta é imunizar todos os trabalhadores que atuam no serviço.

“É um sentimento inexplicável poder estar dando início a concretização desse sonho. Aguardamos com os corações aflitos a chegada dessa vacina e o sentimento hoje é de gratidão. O desejo agora é virar essa página o mais breve possível, de modo que fiquem só os aprendizados”, pontuou a coordenadora geral Grazziela Franklin.

Ascom UPAE de Petrolina

Apesar da pandemia, mais de 96 mil empresas foram abertas em Pernambuco em 2020

0
JUCEPE

No ano de 2020, o total de empresas abertas em Pernambuco foi de 96.960, contra 96.522 em 2019, representando um crescimento de 0,45 %, segundo dados da Junta Comercial de Pernambuco. “A classe empresarial pernambucana, mesmo em um período de instabilidade, aos poucos vai construindo um momento de recuperação. Por isso, apesar de pequeno, o crescimento deve ser comemorado”, ressaltou Taciana Bravo, presidente da JUCEPE.

Excluindo os Microempreendedores Individuais (MEIs), o número de registros de empresas foi de 18.455, número -8,6 % menor do que as 20.206 empresas registradas no ano anterior. Já o número de registros de MEIs durante o ano passou de 76.316 em 2019, para 78.505 em 2020, uma alta de 2,8 %.

Sobre fechamento de empresas, teve uma queda significativa, passando de 37.090 em 2019, para 30.659 em 2020, o que representa uma redução de -17,34% % no número de baixas.

Empresas abrindo, menos empresas fechando. No geral, Pernambuco terminou 2020 com um total 631.641 empresas em atividade. Os municípios que mais abriram empresas foram Recife (29.612), Jaboatão dos Guararapes (10.457), Olinda (6.368), Paulista (5.508), Petrolina (5.263) e Caruaru (5.240).

As atividades empresariais mais registradas foram Comércio de vestuário, Mercearias, Comércio de cosméticos, Lanchonetes, Restaurantes, Comércio de bebidas, produtos de perfumaria e de higiene pessoal e fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar.(Ascom)

Quatro jogadores e presidente do Palmas morrem em acidente aéreo

0

Um avião com parte da equipe do Palmas caiu no Tocantins logo após a decolagem e deixou seis mortos.

A queda de um avião de pequeno porte, logo após a decolagem, na manhã deste domingo (24), causou a morte de quatro jogadores e do presidente do Palmas-TO, além do piloto. A aeronave foi tomada pelas chamas, após a queda em um piista de pouso particular no distrito de Luzimangues (TO), a cerca de oito quilômetros da capital Palmas. Morreram o presidente do clube, Lucas Meira, de 32 anos;  os jogadores Lucas Praxedes (23 anos), Guilherme Noé (28), Ranule (27), e Marcus Molinari (23), além do piloto da aeronave, Wagner Machado.
O time da Série D do Campeonato Brasileiro viajaria nesta manhã para Goiânia, onde jogaria nesta segunda-feira (25) com o Vila Nova, em partida das oitavas de final da Copa Verde. A partida foi suspensa pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).Em nota de pesar  a entidade disse estar “profundamente consternada”, se solidarizou com as famílias das vítimas, e decretou que seja respeitado um minuto de silêncio em todos os jogos deste domingo no país.

Confira a nota divulgada pelo Palmas Futebol Clube:

“O Palmas Futebol e Regatas vem por meio desta informar que por volta das 8h15 da manhã deste domingo, 24, ocorreu um acidente aéreo envolvendo o presidente do clube Lucas Meira, quando decolava para Goiânia, para a partida entre Vila Nova x Palmas nesta segunda, 25, válida pela Copa Verde. O avião em que Lucas estava junto com o comandante Wagner e os atletas Lucas Praxedes, Guilherme Noé, Ranule e Marcus Molinari, decolou e caiu no final da pista da Associação Tocantinense de Aviação. Lamentamos informar que não há sobreviventes. Neste momento de dor e consternação, o clube pede orações pelos familiares aos quais prestará os devidos apoios, e ressalta que no momento oportuno voltará a se pronunciar.”

Presidente e quatro jogadores do Palmas morrem em acidente aéreo - Notícias  - Terceiro Tempo
Presidente do clube, Lucas Meira, de 32 anos, uma das vitimas da queda do avião

Não há há tratamento alternativo contra a covid-19, volta a frisar Anvisa

0

Em reunião da diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que decidiu pela aprovação do uso emergencial de mais 4,8 milhões de doses da CoronaVac, diretores e técnicos da entidade voltaram a frisar a inexistência de um medicamento com comprovação científica para combater a covid-19, ao contrário do que defende o presidente Jair Bolsonaro e colaboradores.

A ausência do tratamento terapêutico específico para a doença foi usada como uma das justificativas para liberar o uso em caráter extraordinário e temporário da vacina.

“Mesmo em um cenário de incerteza, uma vacina contra a covid-19 segura, capaz de prevenir e reduzir mortalidade e morbidade causada por essa doença, pode ser autorizada para uso emergencial, em especial pelo contexto dessa pandemia, onde há poucos tratamentos de suportes disponíveis e não há medicamentos registrados na Anvisa com indicações específicas para o tratamento da covid-19”, pontuou a relatora do processo e diretora responsável pela área de imunizantes, Meiruze Freitas.

Além de ressaltar a inexistência de alternativas terapêuticas contra a doença, o gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos, Gustavo Mendes, acrescentou ao quadro de avaliação de riscos e benefícios o agravamento da pandemia, “tendo em vista o aumento de casos”, e recomendou a aprovação do uso emergencial.

Em relação à vacina, o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, ressaltou que ainda não aprovação da Anvisa para comercialização, e sim uma deliberação de uso emergencial e temporário, fazendo-se necessária a assinatura de um termo de consentimento para receber a vacina. Barra Torres ainda frisou que os pareceres da agência não cedem a pressões “de qualquer maneira”, nem estão empacados por burocracias. “A pressão é uma só: temos que contribuir para assegurar a saúde dos nossos cidadãos, fazer boas entregas e fazer no menor tempo possível. Essa sempre foi e é a única e maior motivação.”

Informações do Correio Braziliense