Home Sem categoria Brilho na política, dor na cultura e o fiasco dos generais

Brilho na política, dor na cultura e o fiasco dos generais

186
0

Em Brasília, Lula dá demonstrações de volta à normalidade, no mesmo dia em que o país perde Gal Costa, e Defesa divulga seu relatório malicioso sobre as urnas

Lula no STF
Lula no STF STF

Por Míriam Leitão –  O presidente eleito Lula foi a Brasília e ocupou todos os espaços políticos visíveis. Falou de volta à normalidade e em diálogo com as instituições. Depois de quatro anos de conflitos, ameaças e agressões verbais do presidente Bolsonaro contra as instituições, principalmente o Judiciário, a palavra “normalidade” soou muito bem. Lula encontrou os presidentes da Câmara e do Senado, foi ao STF, ao TSE e falou aos jornalistas. Tudo conforme o esperado de um presidente eleito, mas parecia novidade. Foi dia de brilho na política, de dor, na cultura, de fiasco dos generais.

Tente esquecer em que ano estamos. É 2022 quase no fim, mas por um momento parecia meio século atrás. Ainda há rumores nos quartéis como se fosse admissível que tenhamos que passar por isso a essa altura. Com a morte da Gal, a imensidão da perda, a voz cristalina de afinação perfeita, pareceu ainda mais inaceitável o ponto desafinado do dia: a espera do relatório da Defesa sobre as urnas. Gal, no tempo em que os militares nos impunham o terror, era luz e encantamento, era conforto e desforra.

“Com minhas calças vermelhas, meu casaco de general, cheio de anéis, eu vou descendo por todas as ruas, até tomar aquele velho navio”. Gal era puro atrevimento na atitude e na voz que derrotava a guitarra. Isso era muito, era o que precisávamos.

O Ministério da Defesa foi ambíguo como eu tinha dito que seria. E foi pusilânime. Em seu relatório disse que não investigou crime eleitoral. Como se tivesse essa prerrogativa. Mas insinuou, deixou pontas no ar, exatamente como foi determinado pelo presidente Bolsonaro que fizesse. Falou em um “relevante risco à segurança do processo” e em que “não é possível afirmar que o sistema eletrônico de votação está isento de eventual código malicioso”. O relatório é malicioso. Nada encontrou na verdade, mas não podia dizer isso. “Oh, sim, eu estou tão cansado”.

– As urnas eletrônicas são um orgulho nacional. A eleição acaba às cinco horas e três horas depois já se sabe quem foi eleito para deputado, senador, governador, presidente — disse Lula numa entrevista com um pedestal de microfones organizados e gritaria de perguntas. Tudo normal.

As negociações políticas e a procura de soluções técnicas para os imensos problemas do país continuaram. A PEC de aumento de gastos continua sendo a solução com mais apoio. Uma nova ideia é tirar toda a transferência de renda para os pobres de dentro do teto, para abrir espaço para todas as outras despesas que não podem deixar de ser feitas. A menos, como disse o deputado Reginaldo Lopes, líder do PT, que o Brasil continue a achar normal não dar merenda para crianças, não ter remédio na farmácia popular, universidades não pagarem conta de luz. “Tudo em volta está deserto, tudo certo. Tudo certo como dois e dois são cinco”.

O dia de ontem foi de chorar, rir e ter raiva. Em Brasília, o triunfo da normalidade. A política substitui os gritos e as ameaças pelas conversas para o convencimento. Lula disse que vai tentar convencer que as suas propostas são as melhores, e vai negociar com quem foi eleito, não apenas com quem gosta. Em todo o Brasil foi dia de chorar uma mulher que marcou o tempo e a vida de cada um. Tímida e espalhafatosa, irritação na cara dos caretas.

Gil aos prantos no Estúdio i, de Andréia Sadi, fez a definição perfeita do momento mágico em que todos eles brotaram para o Brasil com sua explosão de talento. “Ela apareceu ali, quando eu apareci, Caetano apareceu, nós todos nos aparecemos para todos nós. Ali em Salvador. Tudo por causa de João, por causa da Bossa Nova. E nos encontramos todos naquele encantamento pela música nova do Brasil”.

O Brasil parece estar voltando de um grande mergulho em um tempo em que era possível a presidência não dar qualquer palavra de consolo quando o Brasil perdeu o insuperável João Gilberto. “Respeito muito minhas lágrimas, mas ainda mais minha risada, inscrevo, assim, minhas palavras na voz de uma mulher sagrada”.

Caetano compôs para ela a vida inteira, e ontem, aos prantos declamava por ela. “Minha voz, minha vida. Meu segredo e minha revelação. Voz que é menos minha que da canção”.

Dia estranho, o de ontem. O alívio da normalidade, a tristeza da perda imensa. E os militares com resmungos crípticos, mas quem liga para eles? Não é mesmo, honey baby? (O Globo)

Previous articleTSE diz que recebeu com satisfação relatório da Defesa que não aponta fraude nas urnas
Next articleGoverno Lula negocia ministérios com partidos aliados; veja quem são os cotados