Início A vida em primeiro lugar, basta de miséria, preconceito e repressão: `Grito dos Excluídos´ acontece nesta segunda (7)

A vida em primeiro lugar, basta de miséria, preconceito e repressão: `Grito dos Excluídos´ acontece nesta segunda (7)

Com o tema “A vida em primeiro lugar” e o lema “Basta de Miséria, Preconceito e Repressão! Queremos Trabalho, Terra, Teto e Participação!”, a Igreja celebra nesta segunda-feira, 07 de setembro, a realização do 26º Grito dos Excluídos e Excluídas.

Desde 1995, a igreja católica convoca seus fiéis para refletir sobre os verdadeiros valores da vida e tudo aquilo que diz respeito à sua dignidade. Neste ano, a mobilização quer chamar atenção da sociedade à necessidade de dar um basta à miséria, ao preconceito e a repressão e à importância de ações que garantam, a todos, condições fundamentais para uma vida digna com trabalho, terra, teto e participação.

O Grito dos Excluídos, uma manifestação popular carregada de simbolismo acontece todo ano no Dia da Pátria, 7 de setembro, na tentativa de chamar atenção da sociedade para as condições de crescente exclusão social no país.

“Não é um movimento nem uma campanha, mas um espaço de participação livre e popular, em que os próprios excluídos, junto com os movimentos e entidades que os defendem, trazem à luz o protesto oculto nos esconderijos da sociedade e, ao mesmo tempo, o anseio por mudanças”, diz a descrição do protesto em seu perfil no Facebook.

O Grito dos Excluídos foi idealizado inicialmente pela CNBB, através das pastorais sociais. “Ele nasceu e é um grande espaço de articulação entre Pastorais, Movimentos Sociais, Igreja e Movimentos Populares. Outra importância que eu vejo no Grito é que ele contribuiu ao longo desses anos para uma mudança cultural na forma de se comemorar a Semana da Pátria, e que hoje é vista pelos movimentos pastorais, pelas organizações sociais como um horizonte de luta. E a gente tem conseguido fazer isso nesse período”, afirma Ari Silva, da secretaria nacional do Grito dos Excluídos.

Informações da Redação redeGN